Associação Vale d’Ouro propõe Linha de Alta Velocidade em Trás-os-Montes

Proposta prevê tempos de viagem de 43 minutos até Vila Real e 1h14m até Bragança e ligação à AV Madrid-Galiza a 35 km da fronteira.

A Associação Vale d’Ouro participou na consulta pública para o Plano Nacional Ferroviário submetendo um estudo para a nova linha de alta velocidade entre Porto – Vila Real – Bragança – Zamora desmistificando a inviabilidade técnica do corredor, apontando para uma importância económica com impacto em todo o país e sem qualquer afetação da rede ferroviária existente, nomeadamente a Linha do Douro.

A participação no debate público do Plano Nacional Ferroviário e o desenvolvimento do estudo que culmina no documento disponível em www.avtrasosmontes.associacaovaledouro.pt, são mais dois momentos em que a Associação Vale d’Ouro entendeu que poderia disponibilizar os recursos a que tem acesso ao serviço da região.

Este estudo, desenvolvido por um conjunto de técnicos de reconhecida idoneidade e competência técnica e a título gracioso pretende ser uma proposta construtiva que lance a discussão, sobre a possibilidade da construção de uma linha ferroviária de alta velocidade que ligue o aeroporto Francisco Sá Carneiro, e a rede de alta velocidade espanhola a 35 km da fronteira, passando por Paços de Ferreira, Amarante, Vila Real, Alijó/Murça, Mirandela, Podence/Macedo de Cavaleiros e Bragança.

A linha proposta, de tráfego misto, terá velocidades de 160 km/h até Paços de Ferreira, de 200 km/h até Vila Real e de 250 km/h no restante traçado, representando um investimento que permitirá devolver à região um caminho-de-ferro moderno, invertendo-se uma dependência exclusiva do transporte rodoviário para a mobilidade de pessoas e bens.

Esta linha não só potenciará a coesão territorial e socioeconómica da região, como também permitirá aproximar a Região Norte e o País, da Europa Ocidental, numa estratégia alinhada e enquadrada nas políticas de neutralidade carbónica definidas pela Comunidade Europeia, as quais atribuem ao comboio o papel de espinha dorsal de todo o sistema de transportes.

Um eixo ferroviário desta importância revolucionará a mobilidade e a acessibilidade da Região Norte, com um impacto positivo para toda a economia nacional, nomeadamente no papel de facilitador económico de apoio ao setor exportador, encolhendo e diminuindo distâncias. A viagem do Porto a Vila Real será de 43 minutos, enquanto que até Bragança será de 1h14m. A capital espanhola, Madrid, ficará a 3h do Porto e com a nova linha Porto-Lisboa prevista no PNI 2030, ficará a 4h15m.

A Associação Vale d’Ouro remeteu ainda um contributo versando a Linha do Douro ainda que considere nesta fase que após a aprovação da reabertura por unanimidade na Assembleia da República, o Plano Nacional Ferroviário terá que inevitavelmente considerar esta ligação.

,