Comboios param três meses na Linha do Douro

A partir desta segunda-feira (dia 26 de novembro) e durante os próximos três meses a circulação de comboios na Linha do Douro estará suspensa no troço Caíde – Marco de Canaveses devido a obras de modernização.

De acordo com a Comboios de Portugal (CP), a suspensão temporária da circulação naquele troço ferroviário decorre “no contexto das intervenções de eletrificação da Linha do Douro”, devendo a transportadora assegurar o transbordo rodoviário aos passageiros entre aquelas duas estações.

A CP assegura ainda que na restante extensão da linha os comboios continuarão a circular, sendo que a ligação entre Marco de Canaveses, Peso da Régua e Pocinho, será feita com comboios formados por veículos que ao longo dos últimos dois anos já circularam na Linha do Douro, nomeadamente no comboio Miradouro.

Recordamos que no início de novembro, o anúncio da suspensão temporária da circulação ferroviária entre Caíde e o Marco levou os autarcas da Régua, Pinhão e Mesão Frio a criticarem os constrangimentos provocados aos utilizadores da linha.

Na passada sexta-feira (dia 23 de novembro), em reunião no Porto, a CP garantiu aos autarcas do Douro uma “monotonização permanente” e “ajustamentos que permitam introduzir melhorias” na oferta planeada para a Linha do Douro durante o período das obras entre Caíde e o Marco de Canaveses, garantindo a reposição da oferta e horários após o término da intervenção.

A reunião, que decorreu na estação de São Bento, contou com a presença do secretário de Estado do Planeamento e Infraestruturas, a CP, a Infraestruturas de Portugal e as autarquias de Alijó, Baião, Carrazeda de Ansiães, Mesão Frio, Peso da Régua, Santa Marta de Penaguião, São João da Pesqueira e Vila Nova de Foz Côa.

No final da reunião, o presidente da Câmara de Santa Marta de Penaguião, Luís Machado, disse à agência Lusa que foi encontrado um modelo que “tenta minimizar o impacto negativo que as obras têm” e que tenta garantir “que as pessoas chegam ao emprego e a casa a horas razoáveis”.

O autarca referiu ainda que, durante o período de obras, “os horários são dinâmicos, ou seja, as autarquias podem propor a alteração de um ou outro horário em função dos interesses dos seus munícipes”.

Luís Machado afirmou também que, se for necessário, “também será complementada a oferta, pela rodovia”.

“Ou seja, se houver algumas localidades que não fiquem suficientemente servidas pela ferrovia neste novo horário, a CP compromete-se a complementar com horários rodoviários. Sendo certo é que, havendo obras, há sempre constrangimentos para todos”, disse.

, , , , , , ,