Mau tempo provoca estragos avultados em Pinhão e Sabrosa

Chuva forte, vento e granizo ao final da tarde de ontem, segunda-feira, provocaram o caos na zona do Pinhão, Alijó. Sabrosa e Moimenta da Beira foram outros concelhos afetados pela intempérie.

Pinhão – Foto: JN/Meteo Trás-os-Montes

Segundo José Paredes, Presidente da Câmara de Alijó, “cerca das 17:30 começou a cair uma verdadeira tromba de água em especial na vila do Pinhão e ainda na zona das freguesias de Vale de Mendiz e Vilarinho de Cotas”.

O autarca, em declarações ao VivaDouro, afirmou ainda que “os estragos são avultados, por exemplo a Quinta do Noval, situada na freguesia de Vale de Mendiz, a produção de vinho deste ano foi praticamente destruída pelo forte granizo que ali caiu”, situação confirmada pelo nosso jornal junto dos responsáveis da propriedade que não prestaram mais declarações por estarem neste momento no terreno a avaliar o real impacto do temporal.

Pinhão – Foto: JN/Meteo Trás-os-Montes

José Paredes disse ainda que “o município está solidário com todas as pessoas afetadas, em especial os produtores mais pequenos, disponibilizando-se desde já para custear o primeiro tratamento curativo a que estas situações obrigam”.

Contactada pelo nosso jornal, a Junta de Freguesia do Pinhão remeteu qualquer declaração para um comunicado enviado às redações onde se pode ler que “ontem ao final da tarde um fenómeno extremo de precipitação na vila do Pinhão que alagou a Rua António Manuel Saraiva em vários pontos, sobretudo na zona da estação ferroviária e na ponte rodoviária da N323/N222 que liga à Régua. Felizmente não há danos pessoais a considerar mas há diversos prejuízos em estabelecimentos comerciais e danos muito avultados nas vinhas envolventes à vila”.

No documento pode ainda ler-se que o executivo “salienta a rápida resposta da Proteção Civil que rapidamente ativou não só a corporação de Bombeiros do Pinhão mas também outras corporações do concelho e da região com 78 operacionais e vários veículos de apoio. Esta pronta resposta, que contou também com a ajuda de muitos populares, permitiu que por volta das 22h00 a normalidade estivesse praticamente reposta na vila”.

Ainda segundo o comunicado da Junta de Freguesia, as chuvas intensas são comuns na região, contudo as consequências têm sido cada vez mais graves “devido às alterações nas vinhas, nem sempre acompanhadas pelo correto dimensionamento dos sistemas de drenagem. Por outro lado a nossa rede de águas pluviais, uma das primeiras do distrito a ser instalada, está a chegar ao limite e em vários pontos já não tem a capacidade de vazão necessária, sendo urgente uma intervenção séria”.

O VivaDouro tentou ainda falar com o comandante dos bombeiros do Pinhão que se encontra ocupado em trabalhos de limpeza, razão pela qual não foi possível prestar-nos qualquer declaração. Contudo, fonte da corporação confirmou um avultado número de ocorrências, bem como o reforço dos meios humanos com operacionais deslocados de corporações vizinhas para ajudar nas operações de limpeza.

Em Sabrosa o mau tempo também se fez sentir de forma violenta, obrigando, inclusivamente, ao corte de algumas vias, em especial a estrada (N323), que liga aquela vila ao Pinhão.

Segundo o departamento de comunicação da autarquia sabrosense, contactado pelo nosso jornal, “várias quintas foram afetadas pela queda de granizo” estando neste momento a ser feito um levantamento exaustivo de todos os danos causados para estudar possíveis medidas a tomar.

Sabrosa – Foto: CM Sabrosa

Situada na N323, a Quinta do Junco foi também fortemente afetada pelo mau tempo. Contactada pelo VivaDouro, a responsável de comunicação da empresa proprietária da quinta confirmou que esta foi “uma das situações mais graves de que há registo”, levando a “estragos significativos que ainda estão a ser avaliados”.

Ana Margarida Morgado afirmou ainda que “é tempo da região pensar em mecanismos de proteção para situações destas, à semelhança do que já se faz em outras regiões vinícolas do mundo como Bordéus ou Champanhe, em França”, contudo, continua a responsável “esta é uma preparação que deve ser feita pela região como um todo e não por apenas um ou outro proprietário, até porque estes fenómenos são cada vez mais recorrentes”.

Sabrosa – Foto: CM Sabrosa

Em Moimenta da Beira também choveu com intensidade “durante cerca de meia hora”, informou o autarca José Eduardo Ferreira que, no entanto, se mostrou aliviado por não se registarem “danos de grande relevância, apenas alguns deslizamentos de terras aos quais a Proteção Civil Municipal respondeu prontamente”.

Ao VivaDouro o autarca confirmou ainda que “não chegou ao município qualquer aviso por parte do IPMA ou da Proteção Civil Distrital”.

Moimenta da Beira – Foto: Bruno Magalhães/Meteo Trás-os-Montes

Para Fábio Félix, um dos responsáveis da página do Facebook, Meteo Trás-os-Montes, e criador da página Luso Meteo, esta situação era previsível “logo a partir das 11/12H, quando se começou a ver forte instabilidade, com aguaceiros e trovoada intensa um pouco por toda a região de Trás-os-Montes e Beira Interior”.

Para o meteorologista amador, os avisos do IPMA não foram adequados à situação previsível, “olhando aos acumulados das estações, e aos registos dos estragos penso que o aviso laranja seria o mais adequado. No mínimo amarelo era exigido, mas não houve qualquer aviso”.

Segundo Fábio Félix, “hoje pode voltar a haver novos aguaceiros/trovoada, por vezes forte, amanhã e quinta-feira acalmará, podendo agravar novamente na sexta, uma previsão ainda incerta”.

, , ,