ESTGL celebra aniversário a olhar o futuro

0

A celebrar o seu 21º aniversário, a Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Lamego (ESTGL), olha para o futuro apontando a um crescimento do número de alunos e maior implementação no território.

A cerimónia comemorativa do aniversário da Escola teve lugar no passado dia 11 de novembro, no Teatro Ribeiro Conceição, com a presença de diversas entidades da região, com destaque para o autarca local, Francisco Lopes e o Presidente o Instituto Politécnico de Viseu (IPV), José dos Santos Costa.

Nos discursos proferidos durante a cerimónia foi unânime o desejo de desenvolver o ensino superior em Lamego, apostando numa oferta formativa que vá ao encontro das necessidades da região, desejo que a autarquia, pela voz do seu presidente, pretende alimentar apoiando a instituição sempre que necessário.

No final da cerimónia, em declarações ao nosso jornal, o autarca, Francisco Lopes, reforçou a ideia da importância da ESTGL para a cidade.

“Vejo a ESTGL como um elemento fulcral do nosso quadro de educação, pontuado por excelentes escolas de vários níveis onde o ensino superior tem um papel de destaque, sendo um parceiro fundamental do município e das entidades locais num vasto leque de projetos. A presença de diversas entidades nesta cerimónia de comemoração de mais um aniversário da ESTGL é também sinal desse trabalho conjunto que é feito

Olhamos para a ESTGL, que está num processo de desenvolvimento, com muito otimismo, procurando dar resposta aos seus desafios e procurando criar condições para que possa receber mais alunos, nomeadamente que venham de fora para estudar em Lamego.

Estivemos sempre envolvidos no passado com a escola, chegando mesmo a alugar instalações para ceder à escola. Participamos num projeto de ampliação das instalações, que foi concluído à relativamente poucos anos e continuamos dispostos a trabalhar em conjunto com a escola de forma a melhorarmos as condições do espaço, capacitando-a assim para desenvolver um trabalho em prol do nosso concelho”.

Quanto ao maior problema que este crescimento da instituição enfrenta, a falta de alojamento e instalações físicas que suportem esse crescimento, o autarca mostra-se também empenhado em apoiar a instituição.

“Temos condições para criar alojamento, e algumas instituições em Lamego têm capacidade de disponibilizar alguns espaços, como o Colégio de Lamego, por exemplo. Da parte do município há todo o interesse, havendo programas do Governo, em criar uma residência para os estudantes. É um tema que está em aberto e que merece toda a nossa atenção e prioridade”.

Por outro lado, nas declarações à nossa reportagem, o presidente do IPV, José dos Santos Costa, sublinhou a vitalidade da ESTGL, reafirmando o interesse do IPV em ver esta Escola crescer.

“A ESTGL é um braço armado fortíssimo do IPV. São 21 anos de vitalidade. Felizmente hoje temos uma ESTGL que cresceu no número de estudantes, sinal que o reconhecimento na comunidade é crescente. Isto aumenta ainda mais os desafios futuros.

Tem todas as condições para crescer, num território onde é única, e onde tem que ser cada vez mais acarinhada. É possível crescermos se formos capazes de aumentar a atratividade da escola, é um desafio que é possível ganhar.

As autarquias estão disponíveis para ajudar a escola e o IPV está disponível para fazer a ESTGL crescer, tal como todos os professores, alunos e funcionários desta escola”.

Miguel Mota, diretor da Escola sediada em Lamego, era no final da cerimónia um homem “feliz”.

“É um sentimento de enorme alegria e de muita esperança por aquilo que se viu hoje aqui no TRC. Foi bom ver tantas instituições da cidade e da região a marcarem presença nesta cerimónia, era algo que não se via na nossa academia há algum tempo”, afirmou.

Quanto ao futuro da Escola Superior, para o diretor, ele passa pelo aumento do número de alunos, o que obrigará a uma resposta mais eficaz da Escola, e outras instituições, na capacidade em criarem todas as condições necessárias. A implementação da escola no território, em especial nos concelhos da CIM Douro, é também um objetivo da instituição.

“Uma preocupação que temos neste momento, e que acaba por ser feliz, prende-se com a escassez de espaço, que acontece muito pelo crescimento que a escola tem tido. Precisamos de mais espaço para salas de aulas, de uma nova cantina e residências, são fatores dos quais dependerá o nosso crescimento. Com o dobro de alunos, com um novo espaço mas mantendo sempre a nossa casa mãe.

Gostaria ainda de ver a escola distribuída pelos 19 municípios da CIM Douro, com cursos breves, CETESP’s, com cursos de especialização, etc, e que a CIM Douro sentisse que esta casa também é sua”.