Lamego recupera calendário do Jardim da República

O calendário do Jardim da Re­pública, em frente ao edifício da autarquia, faz parte do ima­ginário coletivo de muitos la­mecenses e estava esquecido há mais de duas décadas, ago­ra volta a informar o dia, mês e ano em que nos encontramos.

“Está na memória de todos os lamecen­ses e na minha. Há mais de 50 anos que eu e os meus colegas e amigos cruzáva­mos este passeio a caminho do Liceu Na­cional Latino Coelho, outra memória. Pas­sávamos aqui pelo Jardim da República e todos os dias tínhamos a perceção exata do dia do mês em que estávamos”, conta-nos Ângelo Moura, autarca lamecense.

A recuperação do calendário está inte­grada numa recuperação mais ampla de todo o jardim que também já viu reabili­tadas as armas da cidade.

De acordo com o autarca as obras de melhoramento vão ainda abranger o mobiliário urbano do jardim, bem como os azulejos “da autoria do Mestre Colaço que estão a precisar de uma intervenção minuciosa e cuidada, algo que será feito a médio prazo. Sseria demagogia afirmar que estará pronto este ano. São obras de grande valia para a cidade”.

Ladeado por uma moldura notável de edifícios históricos – os Paços do Conce­lho, a Igreja das Chagas, o Solar dos Pi­nheiros de Aragão e a Fonte “O Lamego”, o Jardim da República, antigo Campo do Tablado é, historicamente, um dos par­ques mais procurados pelos lamecenses para passear e descansar.

O parque tem forma retangular e por cau­sa do desnível entre as ruas que o delimi­tam, há uma escada de acesso, revestida com típicos azulejos azuis e brancos. Con­ta com trilhas para caminhadas, passeios por um jardim e bancos para descanso, jardins com canteiros de flores, um coreto e uma fonte ornamental na área central.

O Jardim da República possui 15 painéis de azulejo da sua autoria sobre temáticas tão diversas como as Côrtes de Lamego ou o Transporte de Vinho e os Barcos Ra­belos.

À nossa reportagem o autarca lamenta não poder “neste momento fazer o apelo para que as pessoas visitem este espaço em comunhão, estamos convictos que todo este trabalho, que está e vai ser feito em breve, poderá ser apreciado por to­dos os lamecenses”.

,