No Natal o bolo é Rei

Chegada a quadra natalícia há um bolo que marca pre­sença em praticamente todos os lares de Portugal, o Bolo Rei.

Em Lamego a tradição do Bolo Rei não foge à tradição mas no Solar do Espí­rito Santo, uma das confeitarias mais antigas da cidade, José Rodrigues quis ir mais além e nos últimos anos tem inovado trazendo diferentes sabores para um bolo tradicional.

“Foi uma ideia que tivemos há uns anos atrás. Havia o bolo rei tradicio­nal, de formato redondo e massa de brioche, e nós tivemos a ideia de fazer em massa folhada. Falamos com os pasteleiros e fomos fazendo algumas experiências até que chegamos ao pri­meiro resultado, aquele a que chama­mos Bolo Rei de Chila, num formato de tronco com chila e todos os outros frutos tradicionais do Bolo Rei. Foi um sucesso fantástico, a chila dá-lhe uma doçura diferente que as pessoas apreciam muito. A partir deste suces­so começamos a fazer outras criações, de dois em dois anos normalmente.”, conta José Rodrigues à nossa reporta­gem.

O empresário afirma que nem todas as experiências têm corrido bem, con­tudo, segundo diz, estas experiências “são sempre bem aceites pelos clien­tes, as pessoas já ficam curiosas sobre o que iremos fazer em seguida e que­rem sempre experimentar porque aci­ma de tudo reconhecem a qualidade do que fazemos”.

Depois das várias experiências feitas ao longo do tempo, este ano a escolha recaiu sobre os sabores mais cítricos com a laranja e o limão, estando já a ser experimentado também um Bolo Rei de espumante e passas brancas, juntando assim outro produto de exce­lência do concelho lamecense.

“Depois da chila escolhemos o choco­late que também teve uma aceitação muito boa. Dois anos depois dessa nova experiência fizemos um Bolo Rei de maçã e depois um de castanha, que não teve a aceitação dos anteriores.

Este ano fizemos uma nova invenção, um Bolo Rei de laranja com limão que fica muito bom, contudo, acho que essa frescura dos citrinos lhe tira um pouco aquele imagem do Natal, aque­le aconchego que procuramos neste tipo de pastelaria.

Estamos já a desenvolver uma nova experiência mas que ainda estamos a testar que é com espumante e passas brancas. É uma ideia que está a ser co­zinhada”.

Num ano marcado pela pandemia Co­vid-19 e pela quebra nas vendas, José Rodrigues espera agora que o Natal possa ser uma tábua de salvação para o negócio.

“Estou à espera que o Natal seja a sal­vação deste ano. Não havendo tantos jantares de Natal, que não vão haver, estou à espera que as pessoas acabem por comprar mais Bolo Rei, para levar para casa mas também para oferecer. Também as empresas que não vão ter os seus tradicionais convívios desta época poderão comprar mais para ofe­recerem cabazes aos seus colaborado­res, é a esperança neste momento”.

Fã “confesso e incondicional” do Bolo Rei, José Rodrigues afirma que o se­gredo do sucesso do Bolo Rei é a mis­tura de sabores que proporciona mas também a “sensação de conforto” que transmite, “em especial numa época como esta”.

,