Vinho, gastronomia e música, a receita do Wine & Music Valley

O Wine & Music Valley é um evento dedicado ao vinho, música e gastronomia, que se realiza nos dias 14 e 15 de setembro num dos mais idílicos cenários a nível mundial, a margem do rio Douro.

Foi a bordo de um cruzeiro no rio Douro que foi dado a conhecer o cartaz completo do festival que se irá estrear este ano nas margens do rio Douro, no Cais Comercial de Lamego. Aos já anunciados Bryan Ferry, Mariza, António Zambujo, Salvador Sobral, DJ Vibe e Rui Vargas, no dia 14, juntam-se Seu Jorge, Xutos & Pontapés, Wet Bed Gang e Carolina Deslandes no dia 15.

Além dos quatro novos nomes, a organização do Wine & Music Valley anunciou ainda um segundo palco dedicado aos novos talentos, nacionais e internacionais.

Para Luís Pedro Martins, presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), presente na apresentação do festival, este evento será uma marca no turismo da região e uma referência a nível mundial.

“Este evento é muito mais do que um festival de música, é muito mais do que a relação com o vinho, vai ser a própria experiência do vinho e das vindimas e tudo isso. Aquilo que nos falta no Douro é mesmo festa e festa que seja fora do mês de agosto e julho, nós concentramos ainda muito da nossa atividade nestes meses de verão e esquecemos depois os outros meses e felizmente hoje nós estamos a conseguir esbater a sazonalidade.

Fizemos um desafio à organização que julgo que irá posicionar este festival como único até mesmo a nível europeu, e não temos que ter medo destas comparações, que é ser o primeiro festival de música sem cerveja. Fazer um festival, no Douro, com o nome Wine, na altura das vindimas, em setembro e fazer com cerveja não fazia sentido. Claro que isto é fácil dizer, mas muito difícil de organizar porque sabemos a força e a ajuda que era para a organização ter as cervejas, um desafio colocado pelo próprio TPNP e pelo IVDP, que a organização abraçou com coragem.

Estamos a posicionar este festival noutro patamar e de certeza que quando isto começar a ter notoriedade fora do país, este vai ser um festival que vai ter tudo para crescer. Da nossa parte eles sabem, estamos a dar os primeiros passos, mas já estamos aqui a prever, não só um apoio para esta edição, mas a trabalhar numas três edições à frente”.

Da parte da organização, Manuel Osório, mostrou-se confiante no sucesso do festival até porque a venda antecipada de bilhetes tem sido acima das expectativas podendo crescer agora que se conhece o cartaz na sua totalidade.

“As vendas têm superado e muito as nossas expectativas, inclusive as expectativas do nosso parceiro que está muito habituado a estas lides. Mesmo as vendas de passes gerais para os dois dias têm sido surpreendentes até porque ainda não eram conhecidos os nomes do segundo dia, até aqui estávamos apenas a vender um conceito e a paisagem.

Acredito que com a apresentação do line-up no segundo dia, as vendas vão aumentar. Vamos começar a fechar o acordo com todos os media partners e aí vamos fazer uma divulgação mais personalizada.

Este evento terá um grande impacto na região, a comunidade local está contente com tudo isto, e esse é que é o nosso objetivo, é que todos ganhem com isso”.

Olhando ao cartaz podemos dizer que é transversal, composto por artistas conceituados aos quais se juntam nomes mais recentes do panorama musical. Também nos géneros a escolha é bastante eclética passando por géneros como o rock, o pop, o fado ou a música brasileira, entre outros.

Para Pedro Ribeiro, também da organização, este cartaz permitirá atrair públicos diversos, desde os mais novos aos menos novos.

“Trazemos um pouco de tudo, os Wet Bed Gang são uma banda que está em alta, está na boca de todos os miúdos. Também para rejuvenescer esta região, trazer os jovens para perto do Douro. A própria Carolina Deslandes, que é uma miúda fantástica, que tem uma voz maravilhosa. Os Xutos, sem comentários, em especial no ano em que celebram os 40 anos, é super importante também estarem presentes na nossa primeira edição. Brian Ferry como grande senhor da música, o Zambujo, a Mariza, a maior fadista de todos os tempos para mim, o Salvador Sobral e obviamente os DJ’s Rui Vargas e Vibe que vão engradecer ainda mais junto o cartaz.

O palco secundário será dedicado à musica dos novos talentos, temos essa grande ambição também de ajudar os novos talentos, de poder promovê-los, de lhes dar visibilidade estando num festival de renome nacional e internacional que é onde vamos chegar”.

,