“Temos nas pessoas a maior riqueza deste território”

Nuno Gonçalves, Presidente da Câmara de Peso da Régua/ Direitos Reservados

Nuno Gonçalves, Presidente da Câmara de Peso da Régua/ Direitos Reservados

Presidente da Câmara Municipal de Peso da Régua há nove anos, Nuno Gonçalves contou ao Viva Douro como tem sido a vida na autarquia e as expectativas que tem para o concelho num futuro próximo.

Porque se decidiu candidatar a Presidente da Câmara Municipal do Peso da Régua?

Acreditei que podia contribuir para o desenvolvimento do concelho e para a melhoria da qualidade de vida das nossas gentes. A essa vontade juntou-se muito trabalho e muita perseverança. A confiança dos Reguenses no meu trabalho e no da equipa que me acompanha tem sido fundamental para alcançar as metas a que nos propusemos.

É o presidente do concelho desde 2005 e cumpre o terceiro mandato, que balanço faz de todos estes anos de liderança?

Um balanço muito positivo. O investimento efectuado nas redes de abastecimento de água e saneamento básico, na requalificação urbana, na rede de equipamentos escolares, desportivos e culturais, assim como na organização e requalificação da rede viária, preparou o concelho para um novo paradigma e para novos desafios, que permitirão afirmar Peso da Régua como um concelho cada vez mais competitivo, com mais e melhor qualidade de vida.

Quais as maiores dificuldades que já encontrou no exercício do seu cargo?

A diminuição dos recursos financeiros das Autarquias, bem como o enfraquecimento da autonomia do poder local. A juntar a tudo isto, a forma como o Poder Local é olhado pelo Poder Central, o que nos retira a legitimidade alcançada em processo democrático de eleições livres. Diante destas fortes condicionantes, o Município do Peso da Régua empenhou-se no aproveitamento máximo do Quadro Comunitário anterior, uma estratégia que trouxe resultados traduzidos numa grande mudança, num desenvolvimento efetivo para Peso da Régua.

Na sua opinião, qual a maior conquista que conseguiu sendo o Presidente da Câmara Municipal?

A estratégia de trabalho desta equipa é transversal, cumprindo inúmeros objetivos em várias áreas. Esse trabalho convergiu para a melhoria da qualidade de vida da população. Os reguenses têm orgulho na sua terra. Será sempre possível fazer mais pelas pessoas, sobretudo quando existe responsabilidade acrescida, como é o nosso caso, mas Peso da Régua é, atualmente, um concelho com mais qualidade de vida, onde as pessoas são felizes. Essas são conquistas fundamentais. Recentemente têm sido realizadas no concelho diversas obras, como a requalificação da margem direita do rio, junto ao cais da junqueira ou a requalificação do campo de jogos Dr. Rui Machado.

Em que medida estes projetos serão uma mais-valia para a população?

A requalificação da margem direita do rio Douro permitirá a requalificação e a dinamização de uma área que estava em mau estado de conservação, promovendo a valorização paisagística de um espaço da cidade com elevada afluência turística. Por sua vez, a intervenção que está a ser levada a cabo no campo de jogos Dr. Rui Machado, reforçará a rede de equipamentos desportivos do concelho, garantindo melhores condições para a formação de atletas e para a prática desportiva.

O turismo é um setor vital para o município e sobretudo para a região. De que maneira investem na dinamização desta atividade? O que o concelho do Peso da Régua pode oferecer a quem os visita?

A cidade do Peso da Régua é o pórtico de entrada na Região do Douro, assumindo a missão da promoção dos vinhos, desde a criação do entreposto da Agricultura dos Vinhos do Alto Douro, pelo Marquês de Pombal. Temos dois elementos essenciais, como o grande embaixador do Douro e de Portugal no Mundo, bem como uma gastronomia de referência. Peso da Régua preparou-se para receber todos os que nos queiram visitar, dotando a cidade de condições de excelência para que tal aconteça. Associado a tudo isto, temos nas pessoas a maior riqueza deste território.

Como funcionará a loja interativa de turismo do concelho? Em que aspeto (s) marcará a imagem do Peso da Régua e será útil à população/turistas? Para quando a inauguração?

A inauguração da Loja Interativa de Turismo não tem ainda data definida. A Loja fará parte de uma rede integrada e multiregional de Lojas Interativas de Turismo, que garante a interligação turística do território da NUTS II Norte. Além de divulgar na rede Porto e Norte os produtos e serviços reguenses, permitirá um apoio ao visitante/turista mais assertivo e alargado, como forma de melhorar a sua experiência e potenciar o seu regresso.

No último mês iniciaram-se as viagens aéreas de helicóptero como meio de potencializar esta parte do Douro e atrair mais turistas. O que espera deste novo projeto?

Reconheço neste projeto um contributo importante para a diversificação da oferta turística, sob o ponto de vista de valorização e densificação do produto turístico Douro. Este projeto é uma oportunidade importante para que Peso da Régua e o Douro ganhem maior visibilidade enquanto destinos turísticos de preferência em Portugal.

Com a crise a agravar-se a cada dia que passa, como é que a autarquia se tem preparado para a enfrentar? Houve redução nos gastos? Em que medida isso afetou os serviços prestados à população?

Mantivemos uma atitude proactiva na captação de recursos financeiros, no âmbito do quadro comunitário, com vista à consolidação da estratégia de desenvolvimento do concelho. Garantimos a mesma determinação e dinâmica no sentido de minimizar o mais possível este impacto junto dos reguenses, trabalhando no sentido de recriar condições para um concelho cada vez mais apelativo, atrativo e competitivo para o futuro.

Numa perspetiva de política nacional, qual das políticas acha a mais eficaz e oportuna neste momento? Que medidas impunha no país se o pudesse governar?

Considerando a situação de crise económica e social que conduziu ao resgate do País, a política social deve estar no centro das políticas a adotar, por forma a minimizar os efeitos da crise na sociedade portuguesa. Existem sinais positivos em resultado do grande sacrifício partilhado, os quais deverão ser ampliados. Numa perspetiva de futuro e considerando as oportunidades criadas pelo Quadro Comunitário 2014|2020, julgo que deverão existir critérios mais assertivos na condução do mesmo, por forma a promover um crescimento sustentado do País, com diminuição das assimetrias regionais, dinamização da economia, mais oportunidades, sobretudo, de emprego para os portugueses, de modo a que as famílias possam readquirir o equilíbrio necessário à sua sobrevivência.

O que pretende fazer quando deixar de ser o Presidente da Câmara Municipal do Peso da Régua?

Pretendo voltar a desempenhar as funções que tinha antes de ser eleito, na área de engenharia civil e arquitetura. Permita-me sublinhar que encaro a minha passagem pela política como o desempenho de uma missão em função de Peso da Régua e do Douro, a qual tenho cumprido com dedicação a esta que também é a minha terra.

Acha que é um benefício para a CIM Douro, um jornal que relata acontecimentos ligados entre as diversas regiões?

Sem dúvida. Faço votos de que o Jornal Viva Douro se assuma como um elemento estruturante e seja encarado como um benefício credível por todos os Municípios que integram a CIM Douro, contribuindo para a coesão e para a sustentabilidade territorial.

Para terminar, quer deixar uma mensagem aos Durienses?

Julgo que continua a fazer sentido falar de esperança, de vontade para trabalhar e de perseverança. As mulheres e os homens do Douro são reconhecidos pela sua coragem e julgo ser esta a atitude com que devemos encarar o futuro, acompanhada pela atenção necessária às oportunidades que possam surgir para que possamos progredir como território e como povo. O Douro deve ser um espaço de integração política, económica e social, com capacidade para a criação de estruturas que sustentem o progresso regional. É na união que reside a força e, por isso, quanto mais a Região se mantiver unida, mais facilmente conseguiremos introduzir maior competitividade no Douro, levando-nos a ocupar o lugar que por direito nos pertence.