Eduardo Rocha é o candidato pelo PSD à Câmara de S. João da Pesqueira

Foto: Salomé Ferreira

Depois de o atual autarca de S. João da Pesqueira, José Tulha, ter decidido que não se ia recandidatar ao terceiro mandato, o PSD anunciou Eduardo Rocha, atual diretor da Escola Profissional de S. João da Pesqueira, como candidato à presidência da autarquia. O VivaDouro esteve à conversa com o candidato que entre outros aspetos tem como prioridades a saúde e a rodovia, uma vez que os acessos ao concelho “são miseráveis”.

Como é que surgiu esta candidatura à Câmara Municipal de São João da Pesqueira?

Surgiu como uma vontade própria de há muito tempo que agora passou a tornar-se uma realidade, fruto de o atual Presidente de Câmara ter pretendido, por motivos próprios, abandonar a sua vida politica e dedicar-se à vida familiar. Nesse sentido, até porque os órgãos centrais distritais sabiam também do meu interesse pela mesma, houve naturalmente uma seriação em que um dos nomes foi meu e após isso e encetadas todas as frentes entenderam que eu estaria em posição sustentável para dar força aquilo que é a candidatura do PSD em São João da Pesqueira.

Já têm escolhido o candidato para a Assembleia Municipal?

Ainda não. Como é óbvio qualquer candidato tem um conjunto de nomes para depois distribuir quer pelo executivo quer pela Assembleia Municipal. O que eu posso dizer é que temos esses nomes em cima da mesa. Neste momento faço-me acompanhar, para o executivo, do Dr. Vítor Sobral, o resto a seu tempo. Isto não deixa de ser um jogo interessante e quando digo jogo refiro-me ao facto de termos que perceber de que forma é que o nosso adversário funciona para que depois sejamos fortes e capazes de dar respostas fortes, caso contrário costuma-se dizer que quando se mostra aquilo que pretendemos de forma muito objetiva podemos perder por sermos demasiado objetivos. Não quero com isso dizer que as coisas não estejam perfeitamente equacionadas. Bem pensadas, bem estruturadas, e que isso seja um fator importante para obter-mos aquilo que é a nossa eleição.

Põe a hipótese de integrar pessoas provenientes de outras forças políticas na sua lista?

Posso-lhe dizer que neste momento tenho todas as juntas formadas, isso é muito importante, nós temos 11 Juntas de Freguesia, e eu tenho 11 candidatos a Presidentes de Junta formados. Dos quais poderia dizer que alguns são provenientes exatamente da lista opositora, o que para mim é uma satisfação grande, sem dúvida, tenho candidatos que eram independentes, sem que fossem do PSD ou da outra lista, PNT (“Pela Nossa Terra”). Penso que com isto lhe estou a dar uma resposta, é uma lista multidisciplinar, ou multipartidária.

Na sua opinião mais do que o partido o que interessa verdadeiramente são as pessoas?

Absolutamente. Aquilo que possa ser uma estratégia que dê resposta aos interesses, ao desenvolvimento sustentado do nosso concelho para mim é prioritário. A “cor” não é de certeza o mais importante.

Falando agora acerca do plano eleitoral. O que é que se propõe a fazer por S. João da Pesqueira?

Não sei como é que isto se diz em política porque ainda estou a aprender política, dizem-me que se eu não fizer promessas que perco as eleições mas eu tenho eixos prioritários. Dentro de eixos prioritários tenho naturalmente a educação, uma educação de qualidade. Tentar que exista coerência naquilo que possa ser a atividade educacional do nosso concelho e apoiar de forma inequívoca aqueles que de forma mais necessitada precisam de ajuda. Mas também é mentira se eu disser que não estamos voltados com a mesma sensibilidade para outras áreas, como a qualidade da saúde por exemplo. Nós sabemos que a nossa saúde é precária, que nos atira diariamente para fora do concelho por estradas sinuosas. Temos que atenuar isso com aquilo que eu chamo de saúde de proximidade. Se todos participarmos nessa boa ação que será ter a saúde próxima de nós mas não como capelinha, não à porta de todos, se calhar o próprio Centro de Saúde, com o apoio incondicional do município, terá capacidade para dar respostas de forma diferenciada à que é dada hoje. Quando se fala de distâncias fala-se de rodovia que é extremamente complicada. Temos de ter atenção que estamos em momentos de escassez de dinheiro para realização de obras físicas mas também não podemos ficar parados no tempo e isso significa que através de um eixo que se fala há muito e que podemos reivindicar, o eixo que faz a ligação Tabuaço- Armamar – A24, que possa passar por ai aquilo que seja o futuro das nossas redes viárias. Quero que São João da Pesqueira ofereça a quem nos visita condições para virem até cá. Mas também para virem para cá trabalhar, para isso é preciso criar empresas e microempresas, fomentar o empreendedorismo. Fomentando o empreendedorismo estamos a fomentar o emprego, o emprego par os jovens hoje é fundamental. Permitir que quem queira viver em S. João da Pesqueira tenha essa oportunidade. Não vamos de maneira nenhuma arranjar trabalho para toda a gente, vamos fazer com que haja a possibilidade da fixação de jovens na nossa terra, isso é extremamente importante. Estamos numa área onde a agricultura é predominante e temos ter uma política de proximidade, temos de perceber o que é que os agricultores necessitam e de que forma podemos ajudar. Gostaríamos de ser a voz, os mensageiros, daquilo que são as insatisfações dos agricultores junto do poder central para que possamos reivindicar com dados concretos e posições definidas. Temos ainda o desporto e a juventude, que deve ser uma juventude inclusiva e a incluir. Para que, quer na constituição das minhas listas, quer naquilo que seja futuramente a autarquia, possa dizer que existem jovens que estão a preparar o futuro. Realço o desporto porque a captação de jovens faz-se muito por esta via e reconheço que se temos muitas condições e infraestruturas em termos de desporto, S. João da Pesqueira tem que estar atento a essa matéria e tentar fazer o melhor para que os jovens não tenham necessidade de sair daqui para a prática desportiva.

Resumidamente quais são os “eixos estratégicos” que definem a sua candidatura?

Educação de qualidade, saúde de qualidade, proteger os desfavorecidos e os idosos, acessibilidades dignas, apoio aos agricultores, investimento e emprego, freguesias, desporto e juventude.

,