Protocolo assinado para nova capela mortuária em Soutelo do Douro

O Secretário de Estado das Autarquias Locais, Carlos Miguel, esteve no dia 13 de setembro, em S. João da Pesqueira, para formalizar o protocolo de apoio para a construção da Capela Mortuária de Soutelo do Douro, numa manhã que se iniciou com uma receção do governante na ESPRODOURO – Escola Profissional do Alto Douro.

A viagem a S. João da Pesqueira para a assinatura do protocolo foi aproveitada pelo município para dar a conhecer ao Secretário de Estado a escola profissional, dando-lhe a conhecer as obras de melhoria do espaço e a nova metodologia de ensino, que foi implementada para fazer face aos desafios do século XXI no que toca ao ensino e formação profissional, onde é imperativo repensar os métodos, estratégias e conceções.

A ocasião foi ainda aproveitada para pedir ao governante apoio para a construção de umas residências para os estudantes que ali chegam todos os anos de diversos concelhos da região.

“Falamos das nossas dificuldades, em São João da Pesqueira, com os nossos alunos e do crescimento da nossa escola, pedindo-lhe que nos ajudasse nesse crescimento em especial no que diz respeito à criação de uma residência para os nossos alunos e um hostel dedicado à região, com restaurante, dando a possibilidade aos nossos alunos de aí colocarem em prática o que aprendem.

Já há um projeto mental, estamos à espera que existam as candidaturas e foi disso que também falamos com o Secretário de Estado que teve a amabilidade de nos indicar por onde devemos ir e, de facto já temos um caminho por onde seguir”, afirmou Fernando Rodrigues, diretor da ESPRODOURO, no final da visita.

Também Manuel Cordeiro, autarca pesqueirense, destacou, em declarações à imprensa, o papel fundamental da escola no concelho e da importância dos apoios para continuar a desenvolver o projeto.

“Esta é uma das lutas da autarquia, aliás, a Escola diz-nos tanto que quando assumimos a autarquia promovemos diversas mudanças ao nível da duração e da oferta formativa e resolvemos as questões financeiras pendentes, contudo há ainda algumas necessidades, em especial uma residência para os seus estudantes.

O Secretário de Estado não é o responsável por esta pasta mas é um governante e pode-nos ajudar a fazer a mensagem chegar mais rápido a quem de direito. Foi-lhe pedido que aproveitasse a sua visita ao nosso concelho para conhecer a escola, solicitação que ele aceitou prontamente”.

Depois de um breve Porto de Honra, o Secretário de Estado foi recebido no Salão Nobre da Câmara Municipal, onde decorreram os discursos oficiais e foi assinado o protocolo de apoio de 50% do valor para a construção da Capela Mortuária de Soutelo do Douro, com o Presidente da Câmara Municipal, Manuel Cordeiro e o Presidente da Junta de Freguesia de Soutelo do Douro, Jorge Silva.

Nos discursos oficiais Carlos Miguel destacou a resiliência do executivo em avançar com esta obra, apesar das dificuldades técnicas que o projeto teve e das dificuldades financeiras que o município tem vindo a recuperar.

“Esta candidatura foi muito difícil de aprovar, por uma questão técnica que felizmente foi ultrapassada permitindo que ela avançasse, com a ajuda de diversas entidades, desde autarquia local, a junta de freguesia e o pároco.

Eu tenho perfeita consciência das dificuldades financeiras em que este executivo encontrou a autarquia e do trabalho de recuperação que tem feito mas, mesmo com essas dificuldades o presidente sempre fez pressão para que pudéssemos aprovar esta intervenção que a parte da câmara estava garantida e esta postura é de elogiar.

Esta é uma obra para servir as pessoas em momentos de tristeza mas, mesmo nesses momentos, devemos ter o melhor conforto possível para que a dor, doendo sempre, possa doer menos um bocadinho”.

O governante mostrou-se ainda satisfeito com mais uma visita a S. João da Pesqueira para a assinatura de um protocolo, sublinhando a importância desta sua presença para um contacto mais direto com a realidade do país.

“Não há nada como ver pelos nossos próprios olhos, perceber a dinâmica. Quando vamos aos locais não ficamos apenas pelo que assinamos, há sempre uma conversa que se cruza, um conselho que se dá e um recado que se leva e isso é muito importante. A nossa vida faz-se destes encontros e destes contactos”.

No final da cerimónia Manuel Cordeiro falou ainda à imprensa para sublinhar a importância desta obra, há muito reivindicada pela população.

“Temos que investir na juventude e no desenvolvimento, certamente que uma capela mortuária não segue essa linha contudo era uma obra necessária, reivindicada pela população há já algum tempo e agora surgiu esta possibilidade de apresentar uma candidatura”.

,