Autarquia sabrosense investe 1,7M de euros na estrada Sabrosa – Pinhão

A estrada que liga Sabrosa à vila do Pinhão é uma das mais movimentadas da região, por dia circulam naquela via centenas de pessoas, principalmente turistas, sem que se apercebam do perigo que enfrentam devido à falta de sustentação dos taludes inferiores.

É a pensar na segurança dos utilizadores que a Câmara Municipal de Sabrosa iniciou agora uma intervenção de fundo na estrada, que estará concluída até às vindimas de 2019, com um custo total para a autarquia de 1,7 milhões de euros.

“Estava prometido um apoio financeiro do Governo porque não é possível ser financiar esta obra por fundos comunitários dado tratar-se de uma estrada. Contudo esse financiamento está atrasado e dadas as circunstâncias de segurança, ou melhor, insegurança da via, não nos permite continuar a adiar uma intervenção naquela estrada.

Desta forma está decidido que em finais de 2018 e durante o ano de 2019, vamos fazer uma intervenção naquela estrada, sobretudo ao nível da segurança.

“Esta estrada é sobretudo uma estrada de transporte de passageiros, o que é mais grave. Por isso é que nós olhamos para esta estrada com outros olhos, com preocupação e no nosso orçamento para 2019 essa preocupação fica bem patente. Uma câmara como a nossa que tem um orçamento de 9 milhões de euros, despender quase 2 milhões numa só obra é um investimento que nos abana”, afirmou, ao VivaDouro, o autarca Domingos Carvas.

A intervenção será dividida em três fases, como nos explicou o autarca sabrosense, “a primeira está a iniciar estes dias e a segunda fase ficará ainda concluída até fevereiro de 2019, num total de cerca de 600 mil euros, isto para assegurar a segurança da via. A terceira fase irá decorrer durante o ano de 2019 e já não será a segurança da via que nos preocupa mas o conforto para quem ali circula, sendo que esta é uma estrada do Douro, não queremos transformá-la num IC, é uma estrada única, com um traçado único e rodeada por paisagens deslumbrantes. Iremos cortar alguns taludes superiores e “arredondar” algumas curvas de forma a melhorar a visibilidade, facilitando o trânsito de pesados de passageiros e mercadorias. Nesta fase vamos ainda melhorar o piso e a sinalética, vertical e horizontal. A expectativa é que daqui a um ano já teremos boas condições para circular nesta estrada”.

Apesar de assumir o custo total da obra, Domingos Carvas deixa algumas crítica à forma como a estrada foi desclassificada em 1992 e entregue ao município, até porque, como afirma, aquela via serve mais os interesses da região do que do seu município, onde existem outras alternativas.

“É evidente que se trata de uma via do Douro, no coração do Douro, é uma estrada importante para a região, mais até do que para Sabrosa especificamente porque temos outras alternativas.

Olhando para o Pinhão, desaguam ali estradas de quatro municípios: Alijó, São João da Pesqueira, Tabuaço e Sabrosa, todas elas nacionais, menos esta. Eu gostava de entender como é que, em 1992, o Governo da altura conseguiu desclassificar a estrada e entregá-la à câmara municipal sem qualquer contrapartida. Uma estrada como aquela, com a erosão do solo que tem, com uma inclinação superior a 30% em alguns locais, é uma estrada que está sempre sujeita às intempéries. Com a quantidade saibramentos que ali foram feitos, está à vista o resultado. Não era possível que uma câmara como a nossa ficasse titular de uma via, estruturante para a região, como aquela”.

O autarca lembra ainda o esforço financeiro para avançar com esta intervenção, pondo em causa outros investimentos que podiam ser feitos com essa verba.

“Não chega dizer que temos as finanças boas, que pagamos a tempo e horas, que não temos faturas em atraso ou capacidade de endividamento, isso não chega. Porque, quando num ano temos um orçamento de 9 milhões e gastamos 2 numa estrada, o que dirá o resto do município? Felizmente temos apostado forte na nossa rede viária, entre 2016 e 2018 gastamos cerca de 1,5 milhões em estradas municipais para resolver algumas questões mais prementes que tínhamos”.

Interface modal quase terminado

Outra obra que a Câmara Municipal de Sabrosa tem em curso com o objetivo de melhorar a circulação no centro da vila é o interface modal junto à escola EB 2/3 Miguel Torga.

Com a conclusão desta obra, o município de Sabrosa pretende resolver alguns problemas identificados no aglomerado urbano, derivados da ocupação excessiva dos aglomerados populacionais e do excesso de transporte privado, nomeadamente ligados à poluição, ao ruído e também à desvalorização do espaço público. Neste sentido, pretende-se promover o desenvolvimento dos transportes públicos e a criação e manutenção das ruas e espaços que se relacionam com os peões.

O Presidente do município de Sabrosa, Domingos Carvas, considerou esta “uma obra de máxima importância ao nível da promoção da mobilidade urbana sustentável, de modo a que seja cada vez mais fácil para a população a deslocação entre os vários edifícios que prestam serviços à comunidade do concelho. Depois de finalizada, esta obra, juntamente com o Interface da aldeia vinhateira de Provesende, que será inaugurado ainda este mês, fará parte de uma estratégia de médio/longo prazo para o desenvolvimento do concelho de Sabrosa e da região do Douro e, neste contexto, permitirá uma resposta mais eficiente às necessidades do município e do território em causa.”

Esta obra está a ser feita ao abrigo do PAMUS – Plano de Ação de Mobilidade Urbana Sustentada, tendo sido adjudicado por um valor que ronda os 200 mil euros.

,