UTAD celebra 35 anos com curso de medicina no horizonte

A ambição não é nova na instituição de ensino superior transmontana mas, durante as celebrações dos 35 anos da UTAD, foram dados passos importantes para a criação de uma licenciatura em medicina, em Vila Real.

António Fontainhas Fernandes – Reitor da UTAD

Ao longo do dia foram diversos os momentos que marcaram o 35º aniversário da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro que, devido à situação pandémica, fica marcado pelo muito reduzido número de convidados que passaram pela universidade.

Chegada de Manuel Heitor, acompanhado por Fontainhas Fernandes e Rui Santos, autarca vila-realense

Contudo, um dos momentos mais marcantes do dia, foi a assinatura de um protocolo entre a UTAD e o CHTMAD, com vista à preparação do grupo de trabalho que vai avançar com a criação do centro académico clínico, que poderá vir a ser a base para um futuro curso de medicina.

Presente no evento, o Ministro para a Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, mostrou o seu apoio à criação deste curso afirmando que “a UTAD é uma referência na área dos estudos e das ciências veterinárias e da genética humana. Interessa agora alargar para a área biomédica e, provavelmente um dia destes, juntamente com o hospital de Vila Real, avançar certamente no estudo e no ensino da medicina. Este é um protocolo para uma proposta, e a proposta tem o meu total apoio. Tem que ser, como todas as propostas, construída, desenvolvida”.

Manuel Heitor, Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Manuel Heitor afirmou ainda ter conversado “muito” com o reitor da UTAD e o presidente da Câmara de Vila Real “para garantir que é uma aposta certa, dando os passos certos”.

Assinatura do protocolo entre a UTAD e o CHTMAD

O governante deu como exemplo a aprovação pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) do laboratório associado na área da veterinária e a “construção gradual de tudo o que é uma relação na área biomédica, sobretudo associada à virologia e às relações entre os animais e os homens e àquilo que são as doenças zoonóticas”, (transmitidas por animais) mostrando no seu entender que “claramente” a UTAD “tem a capacidade para aqui ser criado um centro académico clínico”.

O apoio do ministro dá argumentos à ambição do reitor António Fontainhas Fernandes que, numa recente entrevista ao nosso jornal afirmava:

“Hoje, na medicina mundial, há uma nova área onde temos de ir mais além no conhecimen­to. 25% das doenças do Ser Humano são de origem ambiental. E é preciso perceber que a Covid é a primeira de uma série de doenças que poderá surgir da interação entre o animal e o homem. Hoje o conceito de saúde tem que ser visto à luz dos tempos modernos de “one health”, ou seja, um conceito de uma só saúde.

As alterações que estamos a provocar e as agressões que estamos a fazer ao planeta causam alterações nos animais e nas plantas, podendo ter efeitos nefastos no homem. Por­tanto, o conceito de saúde tem de ser testado de uma forma integrada.

A UTAD já estuda as questões ambientais e as questões das alterações ao nível das plantas e dos animais… Falta “ver” a interação com o Homem”.

Na sua intervenção durante a cerimónia, Fontainhas Fernandes defendeu que, a nível nacional, é “necessária uma formação que estude a área das doenças zoonóticas”, sublinhando o papel que a UTAD já desempenha nesta área, tendo o “curso de medicina veterinária, acreditado internacionalmente”.

“Criar um curso no conceito de uma só saúde, saúde animal e humana, faz todo o sentido em Portugal e com uma linha de desenvolvimento europeia, e, por isso, é que está previsto para os dias 01 e 02 de junho, no âmbito da presidência europeia, que a UTAD seja o palco da discussão desta nova tipologia de doenças”, lembrou.

Naquele que afirmou ser o seu “último discurso como Reitor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro”, António Fontainhas Fernandes não conseguiu esconder a emoção no balanço final.

“Quero agradecer à academia, a esta cidade e a esta região… Muito obrigado”, afirmou com voz trémula.

A cerimónia, que contou ainda com a Oração de Sapiência por António Cunha, Presidente da CCDR-N, dedicada ao tema “Norte 2030”em que o responsável analisou o presente e o futuro da região na aplicação dos fundos comunitários, vindos deste plano que “será um instrumento, mas não será o único”, apontando ao financiamento que Portugal vai receber para o Plano de Recuperação e Resiliência, até 2026.

António Cunha – Presidente da CCDR-N

António Cunha sublinhou ainda as áreas da educação e do ensino superior como apostas para a próxima década na região, deixando o desafio à UTAD de criar “novas especializações, em especial em doenças zonóticas”.

Fontainhas Fernandes e Manuel Heitor percorrem Galeria Alumni

Para marcar a comemoração do 35º aniversário da UTAD, “dedicado aos antigos alunos da instituição”, foi inaugurada a Galeria Alumni, uma nova ligação dentro do campus que será “uma homenagem a todas as gerações de estudantes da Academia”, afirmou Fontainhas Fernandes.

Recorrendo ao paralelismo com o crescimentos dos pinheiros que ladeiam a nova via de ligação, a UTAD pretende assim homenagear os seus alunos, demonstrando a sua importância na valorização na universidade e no seu desenvolvimento constante.

Inauguração da Galeria Alumni

Para terminar o dia, a UTAD organizou ainda um concerto que teve lugar no Conservatório Regional de Música de Vila Real, transmitido online pela UTAD TV, “dedicado a toda a comunidade vila-realense”.

De acordo com uma nota de imprensa da universidade, esta “é universal, mas tem raízes. Nasceu em Vila Real, cidade de Trás-os-Montes e do Douro, município e região com as quais a UTAD se identifica, que tem apoiado e com o futuro dos quais mais diretamente se compromete”.

“Da UTAD para Vila Real – Uma homenagem musical à cidade percorrendo o mundo”, foi levada ao público pelos músicos Nuno Pinto (clarinetista), e Bernardo Soares (pianista).

,