Francisco Lopes: “As minhas ligações emocionais foram sempre a Lamego”

Francisco Lopes, presidente da Câmara Municipal de Lamego

Francisco Lopes, presidente da Câmara Municipal de Lamego/Foto: Salomé Ferreira

Francisco Lopes encontra-se a dirigir a Câmara Municipal de Lamego desde 2005. Há 10 anos no poder, considera que uma das suas maiores conquistas foi a recuperação do orgulho da cidade. O VivaDouro acompanhou o autarca em mais uma rúbrica “Um dia com o Presidente”.

O dia-a-dia de Francisco Lopes costuma ser “muito intenso, de muita pressão e correria”, explicou o presidente da Câmara Municipal de Lamego. Sem exceção, o dia que a equipa de reportagem acompanhou foi recheado de compromissos e atividades.

Com um começo de dia um pouco diferente, visto que Lamego se encontrava na altura das festas da cidade, eram sensivelmente dez horas da manhã quando o autarca assistiu à leitura do convite à participação dos Cidadãos de Lamego e seu termo feito pelo Arauto, em frente aos Paços do Concelho.

A manhã seguiu com várias “reuniões importantes”, classificou o presidente. A primeira foi com a administração das Águas do Norte, empresa que executa a gestão das águas da região, seguida da realização de uma resposta de um concurso para o tribunal de contas. A primeira parte do dia com o presidente acabou com uma sessão de despacho na Câmara.

Para Francisco Lopes “nenhum dia é igual ao outro”, exceto “os dias de trabalho burocrático e de despacho na Câmara, esses são mais rotineiros”, revelou. Aliado ao seu trabalho enquanto líder da autarquia de Lamego, o édil desempenha ainda funções de presidente da Comunidade Intermunicipal do Douro, o que acaba também por marcar a sua agenda diária.

Os pelouros que desempenha dentro da autarquia lamecense ocupam diariamente grande parte do tempo de Francisco Lopes, “tenho alguns pelouros nomeadamente nas obras e urbanismo, gostaria de ter uma equipa de vereação que se ocupasse diretamente dessas questões mais técnicas que eu não consigo”, explicou.

Natural de Macedo de Cavaleiros, antes de chegar à presidência da Câmara Municipal de Lamego em 2005, Francisco Lopes, já desempenhava funções noutro organismo público há algum tempo, o que o permitiu conhecer “aprofundadamente o rio Douro e todos os concelhos e municípios ribeirinhos”. A chegada à autarquia lamecense foi “bastante repentina e surpreendente”, contou o presidente, “depois de muito pensar assumi o desafio e cá estou eu já com três eleições e a acabar as minhas funções dentro de dois anos, com muito trabalho feito e muita satisfação”, acrescentou.

“As minhas ligações emocionais foram sempre a Lamego”, confessou o presidente, mesmo não sendo natural da cidade. Há 10 anos à frente da autarquia, Francisco Lopes considera que foi “bem aceite” pela população, acrescentando ainda que apesar de ter tido um receio inicial “as pessoas hoje em dia já têm noção que a vida já não se pode conter aos limites de um concelho e isso é enriquecedor”, declarou em conversa com o VivaDouro.

Quando questionado acerca de qual a maior conquista nestes 10 anos de funções, o autarca respondeu prontamente que foi o facto de “Lamego ter recuperado muito do orgulho que tinha perdido ao longo dos anos, ao ser sujeita a algum abandono populacional e desinvestimento”, afirmou.

“O balanço que faço é muito significativo, muito importante e muito positivo”, acrescentou Francisco Lopes ao falar dos vários mandatos que já desempenhou. “Penso que o trabalho que fizemos foi de facto relevante para Lamego e para a qualidade de vida das pessoas”, declarou.

“Apesar de serem funções muito exigentes, também do ponto de vista pessoal e familiar, sinto-me satisfeito com o trabalho realizado e dou todo este tempo por bem empregue, fui sempre bem recebido e acolhido por toda a gente na cidade e no concelho de Lamego”, afirmou Francisco Lopes.

O dia do presidente prosseguiu com uma breve participação num programa televisivo que estava a realizar-se à frente do Museu de Lamego. Seguiu-se a receção dos candidatos a deputados de Viseu, numa apresentação ao Bispo e ao provedor da Santa Casa da Misericórdia.

“O meu dia como presidente é das nove da manhã até às nove da noite”, confessa Francisco Lopes. Para terminar o dia de trabalho, o autarca realizou, na companhia do Secretário de Estado da Administração Local, Leitão Amaro, a abertura oficial das Festas da Nossa Senhora dos Remédios, que decorreram na cidade até ao dia 9 de setembro.

No fim da reportagem, o édil quis deixar uma mensagem para a população, “Temos uma região fantástica, um diamante em bruto que está a ser lapidado pouco a pouco, o desafio que deixo aos durienses é que possamos continuar a explorar as nossas potencialidades”, afirmou.

, , , ,