Casa do Douro: Eleições “só depois de situação financeira resolvida” afirma ministra

Durante a visita efetuada hoje à região do Douro a Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, em resposta ao VivaDouro, afirmou que o processo eleitoral da Casa do Douro só irá avançar após resolvida a situação financeira da instituição.

No final da visita à Quinta do Pessegueiro, em São João da Pesqueira, questionada pela reportagem do VivaDouro, Maria do Céu Antunes afirmou que neste momento interessa “criar condições para resolver aquilo que diz respeito ao património da Casa do Douro, para também se poderem regularizar passivos que ainda existem e depois o processo eleitoral acontecerá de uma forma mais segura”, concluindo que entende que este é um processo “de especial importância para esta região”.

De acordo com a governante, “é preciso regularizar a situação para que os novos corpos sociais possam trabalhar. Só avançamos para eleições quando essa situação estiver regularizada”.

Recordamos que no passado mês de agosto, numa entrevista exclusiva ao nosso jornal, Agostinho Santa, Presidente da Comissão Admi­nistrativa do património da Casa do Douro, afirmava a respeito da dívida da Casa do Douro ao Estado que: “os bens da Casa do Douro estão avaliados, principal­mente os vinhos que são aqueles que respondem de forma direta a essas dívidas ao Estado e às entidades públicas. Foram avaliados por uma co­missão independente, nomeada inclusivamente pelo Governo, em que a Comissão Administrativa indicou um elemento, o Ministério da Agricultura indicou outro e o Ministério das Finanças indicou o terceiro. Portanto, era uma Comissão de três independentes que, efetivamente, avaliaram o vinho e apresentaram o seu relatório. Foi apresentado à tutela, mas não foi possível ainda dizer claramente com que valor se conta para chegarmos a acordo”.