Câmara Municipal reedita obra de Afonso Ribeiro

Em 2017 a Câmara Municipal de Moimenta da Beira, em parceria com a Bertrand, reeditou um livro de Aquilino Ribeiro. A escolha recaiu em “O Homem da Nave: serranos, caçadores e fauna vária”, escrito originalmente em 1951. Dois anos depois foi “Terras do Demo”, esse icónico romance do mestre (de 1919), a ser republicado em parceria alargada com Sernancelhe, Vila Nova de Paiva e novamente a Bertrand.

Agora, chega a vez de Afonso Ribeiro, outro escritor da terra, nascido na Vila da Rua (1911-1993), autor pioneiro do movimento neorrealista, ser justamente reeditado. Vai acontecer com a chancela das “Edições Esgotadas” e começar com “Aldeia”, livro escrito em 1943. Outras cinco reedições estão já na calha.

Esta obra, cujo título remete desde logo para um protagonista coletivo, a aldeia, evocada enquanto espaço físico e social, parte de um desenho esquemático do romancista que opõe, de um lado, trabalhadores rurais e rendeiros, e do outro, os senhores da terra. Os primeiros vivem em “quelhos”, em casas miseráveis, e os segundos em habitações amplas, cenários tão típicos dos escritores neorrealistas, usados como denúncia desse sofrimento do povo que foi verdadeiramente espezinhado no período do Estado Novo.

Afonso Ribeiro publicou 14 livros, entre contos, romances e dramaturgia. O seu “Ilusão na Morte”, escrito em 1938, é considerado pelos críticos como a primeira manifestação da nova corrente literária em Portugal.

,