Museu do Douro reabriu com nova sala de exposição

Chama-se Sala Armanda Passos e é um novo espaço de exposições do Museu do Douro que reabriu ao público no passado dia 5 de abril, no seu horário habitual, após encerramento devido à pandemia Covid-19.

O confinamento serviu para a criação desta nova sala que é uma homenagem à Pintora Armanda Passos, artista duriense, uma das grandes referências nacionais a nível das artes plásticas.

Armanda Passos que tem vindo a doar parte do seu espólio ao Museu do Douro, será também nome de um espaço na zona ribeirinha, o Parque Armanda Passos, onde, futuramente, estarão expostas obras inspiradas  nas  personagens criadas pela artista. Um projeto em parceria com o Museu do Douro, Câmara Municipal do Peso da Régua, Faculdade de Belas Artes do Porto e a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo.

A inauguração oficial da Sala Armanda Passos está prevista para dia 18 de maio, Dia Internacional dos Museus.

Com o confinamento e o encerramento temporários dos museus foi necessário alterar algumas das datas das exposições itinerantes. Já hoje, 5 de abril, está patente a exposição de fotografias resultante da edição de 2018 do Concurso Internacional de Fotografia “Douro Património Contemporâneo”, no Museu do Imaginário Duriense, em Tabuaço. Patente está também a exposição “Via Estreita” de Carlos Cardoso no Centro de Interpretação de Sambade em Alfândega da Fé, até ao dia 11 de junho de 2021.

Ainda no Museu do Douro é possível ver até meados de abril, a exposição de fotografia Rui Pires, que nos leva à descoberta das gentes, património e paisagens do Douro. Segue-se a exposição “Cor no Douro”, uma nova exposição da artista holandesa Leni von  Lopik que vive no Douro há duas décadas, e que utiliza materiais naturais da região, como as folhas de oliveira, na concretização das suas obras.

,