O avião do teatro chega ao Teatro de Vila Real

Um ator vivo e um ator morto discorrem sobre o que é o teatro, e um não-ator de cinema serve de contraponto à magna questão do que se trata quando se trata de estar em cena, ou no ecrã.

Este é  o ponto de partida para “O Teatro é Puro Cinema”. Uma peça de Alvaro García de Zúñiga, com tradução de Jorge Melicias e encenação de Teresa Albuquerque, que chega ao Teatro de Vila Real, na próxima quinta-feira, dia 23 de setembro, às 21h30, e dia 24, à mesma hora, integrada na programação do projeto Palavras Cruzadas.

O espetáculo resulta de uma co-produção entre a associação BlablabLab Intergalactic e Teatro da Rainha. “ “O Teatro é Puro Cinema” é um manuel-sur-scène, um formato desenvolvido pelo próprio Alvaro, para poder levar, precisamente sur scène – para o palco – e independentemente das circunstâncias, qualquer texto, som, peça do seu pensamento alvariano, e sobretudo independentemente de qualquer condição de produção. Ou quase”, explica a encenadora Teresa Albuquerque.

No espetáculo “O Teatro é Puro Cinema”, conjugam-se atores (Fábio Costa, Fernando Mora Ramos e José Luís Ferreira) e os seus textos-partitura, teatro e cinema com a ajuda de uma bela televisão e de uma poltrona feita de livros.

“Enquanto isso, os passageiros entretêm-se com os filmes que passam na televisão do avião, filmes de ação-catástrofe, publicidade, documentários e arqueologia video-teatral, fazem parte do programa do dia, até que, como não podia deixar de ser, a viagem acaba. E de forma abrupta. Sobre esse fim o que sabemos é que existe uma caixa negra, mas que permanece irremediavelmente fechada. Só lhe resta, caro espectador, ver por si próprio, e a nós, desejar-lhe uma boa viagem (e boa sorte)!”, refere Teresa Albuquerque.

Depois de uma apresentação no Espaço Miguel Torga, no passado fim de semana, e das próximas apresentações no Teatro de Vila Real, “O Teatro é Puro Cinema” segue para a Sala Estúdio do Teatro da Rainha, nas Caldas da Rainha, nos próximos dias 29 e 30 de setembro.

,