Um milhão de euros para musealização do centro histórico de Moncorvo

A autarquia de Torre de Moncorvo, liderada por Nuno Gonçalves, anunciou no final de novembro um investimento de um milhão de euros para a musealização e criação de um Centro de Estudos Judaicos, no centro histórico da vila transmontana.

“Este é um projecto muito ambicionado pela autarquia uma vez que vem complementar a oferta turística do centro histórico da vila. Depois da criação do Núcleo Museológico da Casa da Roda e abertura ao público do Núcleo da Fotografia do Douro Superior, o Museu do Castelo e o futuro Centro de Estudos Judaicos serão mais dois dos atrativos para visitar Torre de Moncorvo”, quem o afirma é Nuno Gonçalves à nossa reportagem.

Do antigo castelo medieval, mandado edificar por D. Dinis nos séculos XIII e XIV, conserva-se intacta a porta do lado nascente e, sobre ela, ergueu-se no séc. XVII a capelinha da Senhora dos Remédios e a porta da “traição”. Restam alguns panos de muralha que circuitava toda a vila. O castelo gótico situava-se no extremo sul da cerca.

Com a descoberta de algumas peças e artefactos da época a obra chegou a estar suspensa mas após todos os trabalhos de recolha e recuperação feitos, o projeto foi retomado e essas descobertas farão parte do futuro espaço.

“Devido aos achados arqueológicos agora encontrados a obra esteve suspensa, tendo sido retomada depois de se adaptar o projeto para que o balestreiro as paredes e o lajeado descoberto ficassem visíveis a quem futuramente visitar o museu do castelo. Tanto mais que um dos principais objetivos da criação deste museu é divulgar o conhecimento histórico e patrimonial da vila e do seu castelo, nomeadamente as antigas estruturas do castelo onde se destacam a cerca de fim do sec. XIII e as fundações das torres do castelo de início de sec. XIV descobertas com as escavações arqueológicas de 1988”, afirma o autarca.

Este Projeto, orçado em cerca de 590 mil euros, é cofinanciado por fundos do Portugal 2020.

Por outro lado, a criação de um Centro de Estudos Judaicos, também no centro histórico de Torre de Moncorvo, pretende elevar a cultura judaica daquele concelho do Douro Superior.

“Torre de Moncorvo possui um vasto património material e imaterial ligado ao Judaísmo, destacamos a antiga sinagoga, a casa da inquisição, a casa dos Navarros, a casa da Pelicana, a Igreja da Misericórdia, a rua dos sapateiros, o tríptico da Igreja Matriz, o chafariz da horta, as cobrideiras de amêndoa, o lagar da cera de Felgueiras e algumas marcas de simbologia religiosa que se encontram em algumas aldeias do concelho.

No tempo de D. Dinis tal era a importância de Torre de Moncorvo que o rei ao publicar a primeira lei de organização administrativa do país, que o dividiu em 7 comarcas e 7 rabinatos, na região de Trás-os-Montes a capital era Torre de Moncorvo.

Devido à importância deste património material e imaterial ligado ao judaísmo o Município de Torre de Moncorvo achou por bem criar um espaço dedicado ao estudo e à preservação da memória judaica de Torre de Moncorvo”, conta-nos o edil que afirma ainda que a recuperação da antiga Sinagoga deverá “começar a breve prazo”.

A criação do Centro de Estudos Judaicos vai contar com a comparticipação de fundo do Programa de Valorização Económica dos Recursos Endógenos (PROVERE), no montante de mais de 360 mil euros.

,