Interprofissional fixa benefício em 104 mil pipas

Como o VivaDouro tinha já avançado ontem, este é um valor próximo da vindima de 2020, em que foram atribuídas 102 mil pipas.

Em declarações ao nosso jornal, António Lencastre, presidente da Federação Renovação Douro – Casa do Douro, afirmou que “a ambição do Interprofissional era chegar aos valores de 2019”.

De acordo com o representante da produção “o Estado não fez o seu papel social, ao recusar a Reserva Qualitativa, por isso esse papel ficou para o CI que teve de encontrar um valor que fosse justo para os viticultores que tanto têm perdido nesta crise provocada pela Covid-19”.

Para António Lencastre, “é significativo que sempre que o Conselho Interprofissional se une para reivindicar algo, o Governo nega”.

A mesma ideia é defendida por António Saraiva, presidente da AEVP e representante do comércio no Interprofissional. “O Governo demitiu-se do seu papel social, a começar pelo presidente do IVDP. Depois disso essa passou a ser, desde logo, a nossa primeira preocupação”.

“O dinheiro que está no IVDP é da região, e se há tanto é porque ao longo dos anos nos está a ser cobrado um valor acima daquele que é o justo. Não estamos a pedir nenhuma esmola ao Governo, pedimos que nos devolvam o que é nosso”. António Saraiva lembrou ainda que “a viticultura não teve layoff”.

O presidente da AEVP confirmou ainda que o valor definido foi consensual. “Os dois vices (produção e comércio) conversaram logo após sabermos que não haveria Reserva Qualitativa e a preocupação foi chegar a um valor que fosse justo, a reunião serviu para apresentar esse valor ao IVDP”.

Até ao momento o VivaDouro não conseguiu ainda falar Gilberto Igrejas, presidente do IVDP.