Exposição “Vozes do Douro” retrata a “dedicação, trabalho e paixão“ pela região

A exposição estará até dia 9 de fevereiro no Auditório Municipal

A exposição estará até dia 9 de fevereiro no Auditório Municipal

Foi inaugurada em janeiro a exposição “Vozes do Douro”, da autoria de João Rebelo, natural de Ribatejo que vive em Santa Marta de Penaguião há dez anos, onde é professor de filosofia. A exposição encontra-se no Auditório Municipal do município até dia 9 de fevereiro.

“É uma questão intuitiva, simplesmente encantei-me pela região”, foi a razão de João Rebelo ao decidir fazer uma exposição dedicada ao Douro. “Desde pequeno que pinto e desenho, mas pelas condições da época não tive ocasiões para fazer formação na área, contudo sempre continuei a minha temática das pinturas”, realçou o ribatejano.

Há muito tempo que o município de Santa Marta de Penaguião tem apostado nas exposições como forma de interagir e incentivar a população para a cultura. “Temos tido muita afluência nas exposições, temos uma dinâmica interna e externa muito boa, as pessoas quando sabem que há uma exposição vêm-nos logo visitar”, afirmou Luís Machado, presidente da Câmara Municipal.

O autarca revelou que esta exposição “foi uma grande surpresa”, acrescentando que o pintor “retrata muito bem o que é o trabalho, o sacrifício e a dedicação ao Douro”. Para o edil esta exposição é uma homenagem a todos os durienses que trabalharam durante muitos anos na vinha, mostrando-se agradado pela forma como o autor vê o Douro, “porque é a forma como todos nós o sentimos”, afirmou.

João Rebelo é o autor da exposição "Vozes do Douro"

João Rebelo é o autor da exposição “Vozes do Douro”

Desde jovem que o autor circula pelo país a realizar mostras das suas obras “as pessoas começaram a gostar das minhas obras e eu continuei a realizar exposições com diferentes temas”, frisou. “Mandei a minha apresentação para várias Câmaras da região e surgiu a oportunidade de realizar a exposição com Santa Marta de Penaguião, que desde logo se mostraram disponíveis para este projeto”, sublinhou João Rebelo.

O professor confessou o gosto em pintar as faces das pessoas, pois “transmitem os seus sentimentos”, salientando o facto de se conhecer melhor as pessoas através das expressões faciais, daí utilizar na maioria os rostos que, para si, representam a “dedicação, o trabalho e a paixão pelo Douro”.

“Há um sentimento muito grande entre as pessoas e a vinha, é muito engraçado”, realçou João Rebelo acrescentando que “há uma relação muito afetiva das pessoas ao Douro, diferente da região sul, onde é tudo mais mecanizado, não há uma relação tão próxima das pessoas às suas plantações”.

Também o presidente do município partilha a ideia do professor ribatejano “só o Douro despoleta estes sentimentos”, destacou o autarca, salientando a aptidão do autor para a arte da pintura. “É preciso ser apaixonado pelo Douro para criar aquelas obras, faz-nos pensar como o Douro é bonito e diferente”, declarou o edil, acrescentando que é necessário dar “mais valor” à região.

Se pudesse escolher uma palavra para definir o Douro, o autor da exposição optaria pela palavra “cores”, destacando que em todas as épocas do ano a região tem uma “beleza inigualável”.

Luís Machado revelou que tem recebido um feedback “muito positivo” em relação à exposição “Vozes do Douro”, confessando que todas as pessoas que visitaram o Auditório Municipal “gostaram e identificaram-se muito com o que está retratado na exposição”.

, , , ,