Orçamento da Câmara Municipal alcança taxa de execução “mais alta de sempre”

Cidade de Lamego | Foto: Direitos Reservados

Cidade de Lamego | Foto: Direitos Reservados

A Câmara Municipal de Lamego, relativamente ao ano de 2015, alcançou a “mais alta taxa de execução de sempre”. Francisco Lopes, presidente da autarquia, destacou “o equilíbrio e a prudência” do executivo municipal na obtenção deste resultado.

A proposta de orçamento e plano de investimentos para o ano de 2015 remontou a 29.121.900€, de acordo com os princípios de rigor orçamental e os critérios de contenção necessários à “consolidação das finanças locais”. O município declarou que obteve a “mais alta taxa de execução de sempre, 91,3 por cento ao nível da receita e um dos valores mais elevados de sempre em termos de montante global do orçamento executado”.

Para Francisco Lopes, este resultado significa que “o município demonstra total capacidade para gerar as receitas suficientes para fazer face às suas despesas orçamentais e cumprir atempadamente com todos os seus compromissos com pessoal, com as entidades bancárias e com empreiteiros e fornecedores”.

O autarca salienta “o equilíbrio e a prudência que o executivo municipal coloca na gestão dos dinheiros do município, tendo a inteligência e a coragem, quer de tomar medidas que garantam receitas, quer de levar a efeitos os cortes e a racionalização necessária na despesa municipal”.

Foram realizados vários projetos “estruturantes” no concelho, comparticipados em 85% por fundos comunitários. O Complexo Desportivo de Lamego, com um investimento de 3,1 milhões de euros, a criação do Centro Interpretativo da Máscara Ibérica em Lazarim, projeto que ronda os 1,1 milhões de euros e a valorização e requalificação do escadório do Santuário dos Remédios, 900 mil euros, são as principais intervenções efetuadas pela autarquia.

“Numa altura de difícil situação económica no país, fomos capazes de melhorar substancialmente as condições de vida dos lamecenses e os fatores de atratividade do concelho, sobretudo junto daqueles que nos visitam, sem colocar em causa, antes pelo contrário, consolidando as finanças do município”, explica Francisco Lopes.

De acordo com a autarquia e “respeitando” o Plano de Saneamento Financeiro em curso, o município destinou durante o ano passado uma importante verba para a área da cultura, “em particular para a dinamização das Festas da Cidade, programação do Teatro Ribeiro Conceição, a abertura de novas valências no bairro do Castelo, com destaque para a Torre do Castelo e Cisterna que foram visitados por mais de 30 mil turistas e para a realização de outros eventos, em parceria com as associações”, referiu o município.

A escolha de Lamego para sede oficial das comemorações do 10 de Junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas foi “um momento de orgulho e de afirmação de Lamego”, que segundo a autarquia “exigiu um elevado esforço logístico e financeiro, mas que em nada comprometeu os bons resultados da gestão orçamental de 2015”, que termina com um saldo positivo de 451.000€ que transitará para o orçamento de 2016 na assembleia municipal de abril. Em relação a este ano, o presidente da autarquia frisou o investimento das obras no Call Center da Altice e um outro projeto no âmbito da CIM Douro, com um valor de 4.000.000€ na Escola Latino Coelho, não se sabendo ainda se o município assumirá as funções de dono de obra. Há também prevista uma intervenção no edifico dos passos do concelho, no âmbito da eficiência energética, de cerca de 800.000€. “Estamos a negociar o novo plano de regeneração urbana, que vai dar continuidade ao projeto “Viver Lamego” e que esperamos possa ter um volume de financiamento elevado e ser aprovado no corrente ano”, concluiu o presidente.

 

, , , ,