GNR em ações de sensibilização sobre incêndios, burlas e frio

A Guarda Nacional Republicana (GNR) tem levado a cabo, pela região do Douro, diversas ações de sensibilização alertando para as alterações à lei sobre a limpeza de terrenos e o risco de incêndio, burlas com faturas da EDP e ainda sobre medidas a tomar em dias de frio extremo como se têm sentido neste início de ano.

Limpeza dos terrenos é a primeira prevenção contra incêndios

Porta a porta ou em formato palestra, os militares têm-se multiplicado por iniciativas na tentativa de elucidar todos os proprietários de terrenos sobre as suas obrigações.

Na freguesia de Fontes, Santa Marta de Penaguião, os militares da GNR do destacamento de Peso da Régua reuniram-se com pouco mais de uma dezena de proprietários, na sede da Junta de Freguesia local.

“O nosso objetivo é alertar a população quanto à obrigatoriedade da gestão de combustíveis junto às habitações. Essa gestão deve ser feita até 15 de março, daí estarmos desde já a realizar estas ações”, afirmou o cabo Emanuel Rodrigues no final da sessão durante a qual se explica aos presentes “que deve ter sido em conta na queima de sobrantes da atividade agrícola, utilização de maquinaria agrícola em determinadas épocas do ano”.

Ainda no decorrer da apresentação os militares explicam “quais as diferenças entre os diferentes níveis de alerta e ao que cada um dele obriga”.

A acompanhar a iniciativa esteve também Artur Cardoso, Comandante Operacional Municipal da Proteção Civil, que salientou a importância deste tipo de iniciativas “tendo em conta as alterações legislativas, os acontecimentos do último verão e o desconhecimento das populações sobre o que podem ou não fazer e como o fazer”.

Artur Cardoso referiu ainda a importância da forte adesão que este tipo de iniciativas apresenta, “é muito importante porque sabemos que a quantas mais pessoas chegarmos, mais irá diminuir o risco de incêndios”.

O Comandante Municipal, sublinhando a importância do tema para o concelho, informou ainda que a Câmara Municipal fez um “levantamento exaustivo dos terrenos que devem ser limpos e das situações mais preocupantes para ir ao local falar com os proprietários explicando-lhe o que deve ser limpo e como”.

 

Para Duarte Conceição, um dos participantes na iniciativa, estas ações de sensibilização são muito importantes até porque “nem toda a gente sabe o que deve fazer ou que não pode fazer”.

Proprietário de alguns terrenos, Duarte Conceição confessa ainda que os acontecimentos do último verão o fizeram estar mais atento à temática este ano, “percebemos que as desgraças podem acontecer e iniciativas destas podiam ter sido úteis no ano passado, são importantes porque podem ajudar a elucidar as pessoas e torná-las mais atentas”.

A ideia de uma maior atenção das populações ao tema, em consequência do sucedido no verão de 2017 é reiterada também pelo cabo da GNR que nota as populações mais atentas e preocupadas, já Artur Cardoso, Comandante da Proteção Civil Municipal fala numa alteração de comportamentos das pessoas, “estão muito mais sensibilizadas, mesmo para fazer queimadas, agora vêm sempre perguntar e procuram ajuda para perceber o que podem ou não fazer e como”.

Novos elementos para prevenção e combate a incêndios

O Governo anunciou a contratação de 1000 novos elementos para o reforço da prevenção e do combate aos incêndios florestais: 600 para a Guarda Nacional Republicana, 200 para as Forças Armadas e ainda 200 guardas florestais.

A autorização de contratação destes novos elementos foi decidida em Conselho de Ministros e foi apresentada, em conferência de imprensa à comunicação social pelo ministro-adjunto Pedro Siza Vieira.

“Para o reforço dos efetivos que serão agora afetos aos GIPS e ao SEPNA foi decidido o recrutamento externo de 600 militares para GNR” anunciou o governante informando ainda “a contratação de 200 efetivos para as Forças Armadas em regime de voluntariado e em regime de contrato”.

Dos elementos contratados para a GNR, 500 serão integrados no Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS), enquanto os restantes 100 irão para o Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA).

Na conferência de imprensa, o ministro sublinhou igualmente que, no âmbito do reforço dos equipamentos, o Conselho de Ministros decidiu a autorização de despesa “para reforço das capacidades do SIRESP” (Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal) e a aquisição de fardamentos e equipamentos de proteção individual para os agentes envolvidos, bem como compra de veículos de transporte e combate aos fogos.

Segundo o ministro, foi ainda autorizada a realização de despesa para a aquisição de equipamentos para a engenharia militar e o reforço do sistema da vigilância aérea da Força Aérea Portuguesa (FAP).

Burlas com faturas da EDP visam os mais idosos

Muitas vezes vivem sozinhos e em locais isolados, são um alvo fácil para todo o tipo de burlões, em especial os que utilizam, de fachada, empresas de reconhecido estatuto e idoneidade.

É o que acontece com as faturas da EDP, em especial no início do ano, burlões correm as aldeias mais isoladas apresentando faturas de “acertos” que têm que ser pagas em numerário naquele momento sob pena do fornecimento de luz ser cortado.

 

Conhecedora desse facto, e em colaboração com a empresa de eletricidade, a GNR colocou os seus militares no terreno para, junto das populações, as alertar para estas situações evitando que passem por algum dissabor.

“A intenção desta iniciativa da GNR com a EDP é de alertar a população para a não existência de cobrança porta a porta feita por esta empresa, as faturas apenas são cobradas por via eletrónica”, afirma o Tenente Ricardo Portal do destacamento territorial de Peso da Régua durante uma ação na freguesia de Sever, Santa Marta de Penaguião.

Maria da Luz Martins é uma das habitantes da aldeia com quem os militares vão falar, aos 84 anos vive com as duas filhas mas durante o dia está sozinha em casa, tem sempre o portão fechado bem como a porta de casa e é através da janela que vê quem lhe toca à campainha.

“Às vezes nem uma pessoa passa aqui, por isso quando a GNR aqui vem é sempre bom, sentimo-nos mais seguros e também nos chamam à atenção para estes casos para não sermos enganados”, afirma a idosa confirmando que “felizmente” nunca lhe aconteceu nada do género.

A ligação entre a população e os militares da GNR fica evidente nas conversas que têm, é uma política de proximidade que o Cabo Nogueira afirma ser essencial no bem-estar daqueles que guarda. “Em caso de necessidade as pessoas têm o nosso contacto direto e isso é importante porque se sentem mais próximas de nós, mais seguras”.

Na região abrangida pelo comando territorial de Peso da Régua existem cerca de 800 idosos referenciados, no entanto o Cabo afirma que sem uma ajuda mais efetiva em especial das Juntas de Freguesia, muitas outras estarão por identificar, “atualizamos anualmente a nossa listagem mas só se fizéssemos uma ação porta-a-porta é que teríamos um número mais próximo do real”.

Aproveitando esta ação de sensibilização numa das semanas mais frias do ano até ao momento, os militares aproveitam ainda a oportunidade para alertar as pessoas em especial para o uso de lareiras e braseiros que se podem revelar fatais quando mal utilizados.

“Ao longo desta semana vamos também alertar as pessoas para o frio extremo que se faz sentir e os cuidados que devem ter para evitar acidentes graves”.