“Douro + Solidário” quer angariar álcool gel para hospitais

A campanha “Douro + Solidário!” visa fornecer álcool gel desinfetante aos centros hospitalares da região Norte e foi lançada pelo Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP) e os representantes da produção e do comércio.

A campanha está a ser promovida pelo instituto público em conjunto com os representantes da produção e do comércio da Região Demarcada do Douro, contando com a articulação do Ministério da Agricultura e a parceria dos ministérios da Saúde e da Defesa Nacional.

Segundo o IVDP, podem contribuir na campanha “todas as instituições públicas ou privadas, cidadãos em geral, empresas, que estejam dispostas a colaborar para esta causa com matérias-primas, com instalações, com equipamentos ou com trabalho”.

O objetivo é angariar álcool gel (produto acabado), matérias-primas como álcool, glicerol (glicerina), peróxido de hidrogénio (água oxigenada a 10 volumes), bem como material de embalagem (frascos dispensadores, frascos de plástico de 100 milímetros com tampas estanques e etiquetas para rotulagem).

Ainda equipamentos como garrafas de vidro ou de plástico de 10 litros com rolhas de rosca, depósitos de plástico de 50 litros ou tanques de aço inoxidável com capacidade de 80 a 100 litros e enchedoras.

Podem ainda ser cedidas instalações, mão-de-obra, transporte (viaturas para distribuição) e material para logística (paletes, filme estirável, desenroladores de filme, porta-paletes, material de embalagem e caixas de cartão).

O IVDP informa que “não serão aceites dádivas de qualquer outra natureza na presente campanha, sejam em numerário, cheque ou transferência bancária”.

Os bens serão colocados à disposição de entidades que assegurem a preparação de álcool gel e o IVDP fará a coordenação de toda a operação, a divulgação pública de todos os bens e serviços conseguidos.

No caso de oferta de álcool vinícola, o instituto lembrou a recomendação do INFARMED e referiu que a “operação de transformação de álcool vinícola em álcool gel (desinfetante) deve cumprir as normas regulamentares”.

Assim, explicou que “partindo da matéria prima álcool vinícola, qualquer empresa deve disponibilizar essa matéria prima a uma empresa de destilaria acreditada, de modo a obter, por destilação desse álcool vinícola, a substância ativa biocida etanol (CAS n.º 64-17-5) a 70% v/v” a qual será utilizada no fabrico do produto final desinfetante”.

Apontou ainda que a empresa responsável pela disponibilização e uso do produto desinfetante no mercado nacional contendo esse etanol a 70%, tem que elaborar a ficha de dados de segurança-FDS do produto e antes da disponibilização e uso do produto no mercado português deve notificar a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Na quarta-feira, a Cooperativa de Viticultores e Olivicultores (CVOFN) de Freixo de Numão anunciou o apoio a vários lares do concelho de Foz Côa fornecendo aguardente vínica com 77% de álcool, que considerou ser “um poderoso desinfetante”.

A aguardente vínica é utilizada para a produção de vinho do Porto na Região Demarcada do Douro.

Na semana passada, farmacêuticos, profissionais de saúde e vitivinicultores juntaram-se na Bairrada para produzir gel desinfetante utilizado no combate à pandemia de covid-19 a partir de aguardente vínica e outros produtos alcoólicos.

,