Interprofissional apresenta Moção de Censura contra presidente do IVDP

A reunião desta sexta-feira (30/07) fica marcada, não só pela fixação do benefício para a vindima 2021, como pela apresentação de uma Moção de Censura intreposta pelos dois vice-presidentes do Interprofissional contra Gilberto Igrejas, presidente do IVDP.

De acordo com o texto da Moção de Censura, a que o VivaDouro teve já acesso, produção e comércio acusam Gilberto Igrejas de uma gestão danosa do IVDP e da região.

Da lista de acusações dirigidas ao presidente do IVDP, o documento começa por lembrar a reunião de Gilberto Igrejas com o Conselho Consultivo, sem informação ao Interprofissional, recordando que a mesma teve a presença da Ministra da Agricultura, “a qual nunca presidiu a nenhuma reunião do Conselho Interprofissional”.

“O mesmo comportamento intencional e reiterado”, lê-se no documento, aconteceu novamente no passado dia 12 quando Gilberto Igrejas reuniu com o Conselho Consultivo e o Secretário de Estado da Agricultura, “sem prestação de nenhuma informação, formal ou informal, aos membros do CI”.

Produção e Comércio dão ainda como exemplo de uma “menorização propositada” do CI pelo presidente do IVDP, o facto de no organigrama do instituto no seu novo website, surgir debaixo do Conselho Consultivo, em lugar de estar “ao lado do Conselho Diretivo”.

De acordo com o documento, assinado por todos os elementos do Conselho Interprofissional, Gilberto Igrejas “não estava mandatado pelo Conselho Interprofissional para assinar o Protocolo de Sustentabilidade no congresso ‘Douro & Porto – Memória e Futuro´”.

“Considerando que apesar da sustentabilidade económica e social da RDD passar claramente pelo trabalho conjunto das profissões (…), não houve da parte do presidente do IVDP, nenhum esforço de envolvimento e de participação do Conselho Interprofissional no compromisso assumido. Devendo assim ser registada a ausência das profissões e do Conselho Interprofissional na elaboração e assinatura no Protocolo para a Sustentabilidade na Região Demarcada do Douro”.

O VivaDouro conseguiu já falar com Gilberto Igrejas, o presidente do IVDP afirma que este documento “teve o carácter que acharam que deveria ter”, escusando-se a prestar mais declarações sobre o assunto.

“O presidente do IVDP deve falar nos devidos locais e sobre este assunto disse o que tinha a dizer no decorrer da reunião do Conselho Interprofissional, não vou discutir o assunto na praça pública”.