Vinho do Porto foi a bebida de eleição no Natal

De acordo com um estudo de mercado desenvolvido pela Multidados, o Vinho do Porto foi a bebida licorosa mais consumida na época natalícia.

Olhando para os dados apre­sentados, 41,1% dos inquiridos afirmam que a sua bebida espi­rituosa para o Natal foi o Vinho do Porto, seguido pelo Licor Bei­rão (35,3%) e os Baileys (25,1%).

O Néctar duriense é também a bebida espirituosa eleita pelos portugueses, 30,6% dos inquiri­dos afirmam ser a sua favorita, batendo o Licor Beirão (21,3%) e os Baileys (9,1%).

Dentro do Vinho do Porto tam­bém foram auferidas as marcas favoritas dos portugueses com destaque para a marca Velho­tes (5,3%), seguida de perto pela Ferreira (5%), e pela Cálem (1,5%).

George Sandeman – Chanceler da Confraria do Vinho do Porto

Sem dúvida que são bons indicadores. Sabemos o quão importante o Vinho do Porto é para os portugueses e em especial na época Natalícia. Da mesma forma não nos surpreende o decrésci­mo face a 2019, uma vez que o Vinho do Porto está muito relacionado com os convívios em Família que, mesmo tendo sido realizados por alguns no último Natal, foram claramente redu­zidos e/ou celebrados com um menor número de elementos.

António Saraiva – Presidente AEVP

O Vinho do Porto ao longo dos anos, foi-se tornando incontornável em certas ocasiões como o Natal e a Páscoa, e alguns momentos considerados de exceção, no chamado Porto de Honra, pelo que o resultado deste estudo de mercado, confirma o que de alguma for­ma se esperava.

O nosso sector tenta desde há alguns anos, democratizar o consumo do Vinho do Porto, extraindo-o apenas destes momentos, e o su­cesso dos Cocktais com Porto, mostra como o nosso Vinho continua a ser jovem e atual, e tem inúmeros momentos de consumo que os Portugueses ainda tem que descobrir.

Não obstante as vendas em Portugal caíram 31,1% em volume e 36,4% em valor devido à ausência do turismo, cuja presença teve também a particularidade de dar a descobrir aos Portugueses quão apetecível é um copo de Porto bebido em aperitivo ou digestivo, fresco e com moderação.

Obviamente Vinho do Porto é uma marca coletiva, mas que só se afirma graças às grandes marcas Nacionais e com prestígio Internacional, como revela este estudo o que é gratificante.

Gilberto Igrejas – Presidente IVDP

Sempre que o consumidor elege o Vinho do Porto como a sua bebida preferida, é uma excelente notícia. No entanto, sabemos que, apesar dos portugueses conhecerem e re­conhecerem o Vinho do Porto como um dos melhores e mais emblemá­ticos vinhos do mundo, paradoxal­mente, reduzem o seu consumo a momentos solenes e a um target em que os jovens, praticamente, não têm expressão. Se tínhamos alguma dúvida sobre este perfil do consumi­dor português, as mesmas foram dissipadas com a crise no setor HORECA e do Turismo, provocadas pela Pandemia, que determinaram quebras expres­sivas nas vendas de Vinho do Porto no mercado nacional.

Tem sido estratégia do IVDP, nas suas ações de promoção no mercado na­cional, reformular a perceção e a relação que o consumidor tem com o Vi­nho do Porto. Trata-se de um desafio, também geracional, para conquistar relevância junto de um público mais jovem, através da associação a bons momentos da vida, de socialização e convívio, rompendo com o padrão atual, descomplicando a forma de consumo, por exemplo, através do recur­so à mixologia.

No final de 2020, implementámos uma campanha publicitária intitulada #Onde levas o teu Porto, nas televisões, imprensa escrita e digital, redes sociais, MUPI e influenciadores que teve o objetivo de trazer uma nova linguagem para o Vinho do Porto. Através do apelo direto ao consumo mo­derado, concentrando as mensagens num discurso leve, claro e mobiliza­dor, chegámos aos mais jovens, implementando a bebida em ambientes mais cosmopolitas e descontraídos e, ao mesmo tempo, demonstrámos a qualidade e a diversidade dos Vinhos do Porto e do Douro, consolidando o reconhecimento das marcas junto do consumidor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *