Plataforma de transporte de passageiros desenvolvida em Vila Real

Chama-se Chofer, conta já com 500 motoristas e 3.000 utilizadores e é a primeira plataforma, deste serviço, 100% nacional. Pretende concorrer diretamente com outras semelhantes como a Uber ou a Cabify, operando já opera m Lisboa, Porto e Algarve.

A Chofer junta uma empresa de Lisboa e a 4All Software, uma ‘startup’ sediada no Regia Douro Park — Parque de Ciência e Tecnologia de Vila Real, que foi criada por um professor e seis ex alunos da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

“Esta plataforma foi desenvolvida integralmente em Portugal e é detida por empresas portuguesas, que pagam cá os impostos, e tem um potencial grande, quer ao nível dos serviços que pode proporcionar, no nosso país, e em países para os quais vamos expandir rapidamente”, afirmou Benjamim Fonseca, responsável pela 4All Software, salientando ainda que o projeto foi desenvolvido “integralmente por antigos alunos da UTAD”.

Relativamente às plataformas mais conhecidas nesta área (Uber e Cabify), a Chofer apresenta algumas diferenças tendo em vista o utilizador, em especial no que diz respeito ao pagamento das viagens que pode ser feito através do MB Way, permitindo que “as pessoas que não têm acesso a cartões de crédito ou não querem fornecer os dados do cartão possam usar um meio de pagamento mais direto”, referiu Benjamim Fonseca.

Outra diferença está nas tarifas, no caso da Chofer a tarifa é única, não sendo alterada devido à procura existente, garantindo assim sempre o melhor preço nas viagens.

Inovador é também o facto de os utilizadores poderem ainda escolher o seu “motorista favorito”, fazer “agendamentos de viagens” até 24 horas de antecedência e dar gorjetas. Na Chofer, tanto motoristas como utilizadores vão poder fazer classificações recíprocas.

Num futuro próximo a aplicação pretende estar presente em outras cidades nacionais como Coimbra, Braga, Aveiro e Leiria, havendo ainda a intenção de a exportar para fora do território nacional.

Até ao momento este projeto criou cerca de 1.000 postos de trabalho (diretos e indiretos), possui mais de 500 motoristas, cerca de 3.000 utilizadores e efetuou à volta de 1.000 viagens.