Universidade Sénior de Tabuaço pretende atrair alunos de localidades fora da sede de concelho

Criada em maio do ano passado, a Universidade Sénior de Tabuaço arrancou o segundo ano letivo com cerca de 35 alunos inscritos/ Foto: Salomé Ferreira

Criada em maio do ano passado, a Universidade Sénior de Tabuaço arrancou o segundo ano letivo com cerca de 35 alunos inscritos/ Foto: Salomé Ferreira

Criada em maio do ano passado, a Universidade Sénior de Tabuaço arrancou o segundo ano letivo com cerca de 35 alunos inscritos. A iniciativa resulta de uma parceria entre a Câmara Municipal e a Associação Nacional de Professores.

De segunda a quinta-feira os corredores da antiga escola Abel Botelho enchem-se de alunos seniores com vontade de aprender mais. O projeto iniciou em maio do ano passado em regime experimental e arrancou oficialmente em outubro de 2014, nessa altura com cerca de 25 alunos.

“A principal ideia que levou à criação da Universidade Sénior foi permitir que os nossos munícipes com mais de 55 anos e que se encontram a usufruir da aposentação pudessem aceder à formação em diferentes áreas e o consequente incremento da qualidade na forma como ocupam o seu tempo”, explica Carlos Carvalho, presidente do município.

O plano de estudos é variado, os alunos podem escolher entre várias disciplinas, designadamente, informática, língua estrangeira, música, património cultural e imaterial, saúde e cuidados básicos, educação física, pintura e artes decorativas, hidromassagem e ainda teatro, esta última ministrada pela primeira vez.

Depois da aula de inglês chegou a vez da disciplina de artes decorativas. No intervalo, Florinda conta que assim que abriram as inscrições decidiu aderir à iniciativa. “Faz bem às pessoas que estão sozinhas em casa, é um divertimento, além de se aprender o convívio também é importante”, afirma a estudante.

Entre as várias disciplinas em que se encontra inscrita, Florinda revela que a que mais gosta é informática, “o meu filho está no estrangeiro e é bom conhecer as novas tecnologias para comunicar com ele”, contou ao VivaDouro.

Maria Pereira teve uma “vida agitada” e agora que os filhos se encontram fora decidiu inscrever-se na Universidade Sénior como forma de combater a solidão. “É uma boa ideia para aprender mais e não esquecer o pouco que se sabe”, referiu a aluna.

“Nunca é tarde para aprender”, afirmou Maria Pereira, ao mesmo tempo que realizava o trabalho de arte decorativa.

O número de alunos em cada uma das aulas é “muito variável”, explica Raul Pinheiro, coordenador e aluno da Universidade Sénior, sendo que a disciplina que atrai mais pessoas é Música, “é uma aula que toda a gente adere sem grandes reservas”, afirmou.

Na opinião do coordenador da iniciativa as pessoas “fazem questão de vir só para se sentirem acompanhadas”, declarou ao VivaDouro.

“Tem havido uma interação constante no sentido de as artes formativas irem, na medida do possível, ao encontro dos anseios e desejos dos alunos porque entendemos que a motivação é um fator fundamental para o sucesso deste projeto”, referiu Carlos Carvalho.

Raul Pinheiro faz um balanço positivo da iniciativa até ao momento, no entanto, refere que a “adesão deveria ser maior”, uma vez que “se houvesse mais gente havia mais força para dizer que gostávamos de realizar mais coisas”, explicou.

O presidente da autarquia considera que a adesão tem sido “bastante boa, tendo em conta a realidade demográfica”, vivida no concelho. Carlos Carvalho sublinha que a “principal dificuldade é trazer mais pessoas das restantes localidades à sede do concelho para usufruírem desta iniciativa situação na qual estamos a trabalhar no sentido de inverter”, comentou.

Para além das aulas teóricas e práticas os alunos usufruem também de algumas visitas de estudo dentro e fora do concelho. Ao longo deste ano letivo encontra-se ainda em funcionamento um concurso de perguntas diretas a todos os alunos, feitas em locais inesperados, em que o vencedor será anunciado no Sarau de fim de ano realizado em junho de 2016.

 

 

 

 

 

 

, , , ,