A importância da formação em vinho do Porto

0

O Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, I.P. (IVDP) tem vindo a investir fortemente, de forma continuada, em formação especializada sobre vinho do Porto junto das escolas de hotelaria internacionais e nacionais.

São os alunos dessas escolas os protagonistas da mudança que estamos e queremos operar junto do consumidor. Pretendemos que o consumo de vinho do Porto seja, não apenas um momento lúdico e de convívio, mas a que se dê um aporte significativo de informação ao consumidor, que o capacite para escolhas futuras mais esclarecidas.

Todos sabemos que a comunicação do vinho do Porto é assaz complexa. Torna-o de especial curiosidade ser um vinho identificado com a mais antiga e regulamentada região demarcada do mundo. A complexidade da comunicação começa no facto de ser um vinho licoroso – logo aí a curiosidade de ter uma fermentação interrompida no seu decurso pela adição de uma aguardente – e continua na panóplia de tipos, de estilos, de categorias especiais, de cores, de doçuras, nos processos de vinificação singulares – uns que procuram uma maior oxidação, outros menos –, para não falarmos da singularidade das castas autóctones que nem todo o consumidor conhece. Se ligarmos a esta complexidade a enorme espessura histórica e cultural associada ao vinho do Porto, a comunicação fica tão vasta quanto difícil de abranger.

É desta complexidade de vinhos que nasce a necessidade de fazermos um esforço continuado e dotarmos o setor da restauração e da hotelaria de pessoas habilitadas que façam a ponte entre a região, o vinho e o consumidor. Por ser uma região secular, a invulgaridade da Região Demarcada do Douro tem a contar o seu longo passado, e a oferecer um manancial de informação histórica e cultural que permitem criar um story-telling deveras interessante, capaz de envolver o consumidor na origem de qualquer vinho que daqui tenha origem.

É esse o desígnio da formação que facultamos: permitir que o consumidor seja esclarecido de uma forma cabal, aprofundada, através de quem conhece os detalhes, está familiarizado com o produto, e está em condições de propor os melhores vinhos, a melhor adequação aos momentos de consumo, nos canais de restauração e da hotelaria.

A importância dos cursos que frequentemente realizamos fica, pois, perfeitamente justificada quando perspetivada como uma forma estrutural de aumentar a sustentabilidade social e económica da região pela comercialização. Para o conseguir, o IVDP está dotado de equipas de formadores altamente qualificadas, versadas nas mais diversas áreas, que se integram na docência dos programas de formação traçados pelas mais reputadas escolas de hotelaria nacionais e internacionais.

O que era há anos um acontecimento episódico tornou-se uma prática rotinada, que apenas a pandemia COVID-19 intervalou. Muitas ações poderiam ilustrar esta atividade de formação tão necessária e meritória. Mas pontua-se aqui a realizada no âmbito do projeto “Les Vins de Porto: Connaissance des Produits Européens et Inter-Culturalité”, ação que vimos a desenvolver desde 2003, numa parceria com o Ministério da Educação francês, tendo realizado, neste mês de março, um vasto programa de formação nas academias de Toulouse e de Montpellier.

São esta ações que temos vindo a empreender, visando sempre o acréscimo da comercialização, o melhor esclarecimento, descomplicando e democratizando o consumo moderado, em ambientes mais cosmopolitas e descontraídos, para chegar aos mais jovens, cortando as “amarras” a momentos solenes.

Conseguimos captar, cada vez mais, jovens formandos das escolas de hotelaria. Ávidos de informação. Interessados. Disponíveis para continuarem a propalar o Vinho do Porto, a Região Demarcada do Douro, a sua Cultura, e as suas Gentes. Assegurando maior sustentabilidade de um território verdadeiramente singular. Cria-se, assim, uma jovem camada de agentes profundamente conhecedores, que fará a disseminação da enorme fama e excelente reputação que detém o Vinho do Porto, marca de imagem de Portugal.