Ciência, Vinho e Território

Por António Fontainhas Fernandes, reitor da UTAD

No próximo dia 29 de maio, a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) promove a iniciativa “Ciência, Vinho e Território”, em colaboração com a Câmara Municipal de Vila Real e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDRN). Esta terá lugar no Regia-Douro Park – Parque de Ciência e Tecnologia – e vai reunir figuras de referência a nível nacional e internacional no domínio da vinha e do vinho, numa perspetiva de ligação ao território. Também neste dia, a Universidade vai atribuir o título Doutor Honoris causa a duas figuras emblemáticas do Norte e que se identificam com a estratégia “Ciência, Vinho e Território”: o engenheiro João Nicolau de Almeida e o professor Luis Braga da Cruz. Desta forma, a UTAD aposta numa estratégia em rede com a região, consolida a sua posição enquanto agente de desenvolvimento, e mantém a sua afirmação como motor de políticas ligadas ao conhecimento.

É consensual que as regiões serão mais competitivas se apostarem na economia do conhecimento, com efeitos práticos na atração de trabalhadores do conhecimento. Nesta perspetiva, as Universidades devem integrar redes e ganhar escala, não apenas nacional como é o exemplo da formação do consórcio UNorte.pt, que integra as Universidades do Porto, do Minho e a UTAD, mas também apostar na integração em redes internacionais. Contudo, é fundamental que as instituições preservem os seus valores, o respeito pela sua história, pela sua identidade, e a UTAD tem mantido a sua matriz identitária, fortemente ligada às ciências agrárias, e o seu papel no desenvolvimento regional, enquanto fator de coesão regional.

Mas, cada Universidade deve ter uma “assinatura”, composta por um núcleo de competências consolidadas e resultantes do seu próprio percurso. No caso específico da UTAD, importa reforçar as áreas que a identificam e que incluem o sector primário, o ambiente e paisagem, o turismo, a cultura, as novas tecnologias, a comunicação digital, sempre privilegiando o desenvolvimento de projetos multidisciplinares, mas sobretudo contribuindo para que, cada vez mais, “Ciência, Vinho e Território” seja uma marca da maior relevância para o Douro.