Cuidadores Comunitários / Comunidades Amparadas –  inovação social para o interior de Portugal!

No Douro está a nascer uma nova e complementar resposta de saúde e amparo social, que é a inovação que pode ser fundamental para se manterem vivas as nossas Aldeias, Vilas e até as cidades do interior de Portugal.

O Aldeias Humanitar, a partir do Douro, mais particularmente no Douro Sul e no concelho de Sernancelhe, está a preparar o projeto piloto da permanência, todos os dias, desta resposta de saúde e amparo social.

Estaremos perante uma (R)Evolução nas respostas de saúde e amparo social, o que permitirá às pessoas, muito particularmente as mais vulneráveis, terem perto de si alguém capaz de os apoiar nas mais diversas necessidades.

O Cuidador Comunitário, resumidamente, é uma função profissional, exercida na comunidade, por profissionais com formação académica / científica consistente e compatível, que tenham  na base a vontade de olhar o outro com absoluto respeito, de agir na “humanidade das pessoas que cuida”, disponível para apoiar em atividades  de vida quando necessário, ter competências na gestão do regime terapêutico, vigilância e articulação com outras respostas da comunidade.

Com esta resposta  as nossas terras serão Comunidades Amparadas, um conceito de proteção da vida humana nos territórios em quase colapso demográfico.

A Rede de Cuidadores Comunitários,  dará coesão aos nossos territórios por via do apoio à existência de vida humana e pela criação de novos empregos de jovens que permanecerão no interior.

O Cuidador Comunitário, atua em casa de cada um, ou seja, no seu mundo maior.

A casa é o lugar da nossa vida familiar, das memórias dos nossos amores, dos nossos filhos que entretanto até já não estão por perto.

 A casa é um dos nossos direitos fundamentais. Que nos dá autonomia, identidade, independência, privacidade, autoestima, autoconfiança, e, em resumo,  a felicidade.

Queremos todos, dar aos nossos mais velhos o direito de na sua casa permanecerem até que a vida o permita e a sua vontade seja a de ficar.

Nós, os idosos de amanhã, certamente sonhamos com a possibilidade de termos apoio permanente na comunidade onde vivemos que desejamos amparada.

Vamos todos colocar esta nova resposta de saúde e amparo social nas bocas do mundo para que seja uma opção generalizada nos municípios do interior de Portugal.