Douro Sul – este nosso mundo, precisamos olhá-lo, com outros olhos!

12295015_1025542170831145_1462418590_o

Por Domingos Nascimento

Evidências :

A região ganha quando há a lucidez necessária para percebermos que o mundo mudou.

Este nosso mundo, a nossa região, já não é a mesma coisa, a desertificação está a tentar esmagar-nos.

Teimar em deixar a cabeça debaixo da areia e esperar que o problema passe, não é solução.

A morte territorial já está a acontecer há alguns anos.

Atitudes:

Não chega fazer bem a rotina, é preciso fazer mais e algo diferenciador.

Precisamos perceber que só a exceção resolverá os problemas excecionais que se agravam silenciosamente a cada dia que passa.

É preciso abraçar e aproveitar o excelente trabalho que está a ser feito em muitas áreas, em todos os concelhos, e dar-lhe a grandeza da escala regional.

Os cidadãos e as instituições da sociedade civil, podem ser, já são em muitas situações, os parceiros estratégicos dos municípios que todos os dias lutam para minimizarem os efeitos da demografia dos tempos que vivemos.

E tudo começa pela compreensão que se espera dos cidadãos, aquando de novas medidas de otimização na prestação de serviços públicos.

A gestão das expectativas é um outro ponto relevante na relação dos municípios com os cidadãos e as instituições. Importa percebermos todos, que há novas prioridades e que a forma de construir futuro tem outra linguagem e outras tarefas pela frente.

Fatores conceptuais que podem fazer mudança:

1- Ser eficiente é uma obrigação moral.

Os municípios no Douro Sul, estão à procura da eficiência e reorganizar as suas estruturas por forma a conseguirem potenciar os recursos e meios já instalados, promovendo uma nova visão para a sua utilização. A eficiência constitui-se na tarefa de gerir com menos recursos mas continuar a assegurar qualidade de vida aos cidadãos.

2- Enaltecer um modelo de vida de qualidade:

Não é indiferente o nosso projeto de vida à comunidade em que estamos inseridos.

Viver nestes territórios um pouco menos perto do litoral, tem enormes vantagens. As infra-estruturas de excelência que os municípios foram conseguindo para os seus territórios, são garante de uma qualidade de vida incomum. Agora precisamos que todos os cidadãos, todos mesmo, que por cá vivem, ajudem a motivar, a criar um contexto anímico positivo. Falar pode ser fácil, dirão alguns, mas nada se consegue promover mudanças e vontades, sem que os ânimos estejam positivos.

3- Sentir com o coração, agir com a razão – precisamos condições para se ganhar o pão.

Há uma total consciência dos problemas sociais individuais e uma visão clara das problemáticas mais comuns em todos os concelhos deste território. O pão ganha-se com trabalho, e este só existe se houver dinâmica económica, seja ela empresarial ou social. Os Municípios, discretamente, são atualmente o garante de uma parte significativa do emprego, por via direta ou indireta.

Mais, os municípios, em particular os seus líderes, estão a desenvolver um trabalho de diplomacia económica e social de grande relevo.

Esta renovada forma de fazer intervenção política local, não tem tanta visibilidade como uma estrada ou um outro qualquer equipamento, mas deixa raízes consistentes que já dão e darão ainda mais pão.

4- Dar escala e dimensão regional a tudo o que fazemos.

Teria já vários exemplos para demostrar o caminho que estamos todos a construir neste aspecto, vindo da sociedade civil e dos municípios.

Acredito neste paradigma e todos esperamos que estes quase 100.000 habitantes, saberão seguir esta nova dimensão territorial, como a sua escala de pensamento estratégico / funcional para os seus negócios e para as iniciativas sociais. Desta forma, poderemos ousar, sendo isso já muito evidente em várias fileiras de produtos e serviços, pensar e agir global.

Concluindo, não dizendo felizmente algo novo, só pretendo enfatizar os problemas da região e vincar o bom que já está a ser feito e ajudar a refletir para a tomada de consciência dos novos desafios e propósitos, para os Municípios, para as Instituições, para as Empresas e Cidadãos.

Douro Sul,

Tem muito Futuro.

,