Novas Dinâmicas para o Douro

Por António Fontainhas Fernandes, Reitor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD)

Por António Fontainhas Fernandes, Reitor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD)

A classificação do Alto Douro Vinhateiro como Património da Humanidade foi celebrada no passado dia 15 de dezembro. Aproveito este momento para efetuar uma breve reflexão, retrospetiva e prospetiva, sobre a atividade que a UTAD tem vindo a desenvolver na região do Douro.

Desde o processo de renovação do Douro impulsionado pelo PDRITM na década de oitenta, a Universidade teve um papel crucial na reconversão da vinha e em estudos da fileira vitivinícola. Na década de noventa, marcada pela internacionalização dos vinhos do Douro e o início da candidatura a Património Mundial, a UTAD manteve sempre um papel crucial. Esta influência viria a ser acentuada por uma nova geração de enólogos de dimensão internacional, que apostou na qualidade, diferenciação dos vinhos e em práticas sustentáveis. Na primeira década do século vinte, a exemplo de outras regiões, registou-se um razoável investimento público e privado em acessibilidades rodoviárias, infraestruturas culturais, hoteleiras e vitivinícolas, que mudaram a paisagem, mas não lhe retiraram o valor universal excecional.

Recentemente, a UTAD tem vindo a focalizar-se em dinâmicas de conhecimento e de inovação numa aposta de ambição internacional, como a Plataforma de Inovação da Vinha e do Vinho. Este projeto será um forte impulsionador da fileira vitivinícola e afins, abrangendo a gestão económica da vinha e do vinho, os processos da viticultura inteligente, do ambiente e qualidade, do marketing e enoturismo.

O futuro do Douro enquanto laboratório de desenvolvimento sustentável exige dinâmicas inteligentes e inovadoras, em que a Universidade deverá ter um papel preponderante. Esta estratégia exige alavancar novas dinâmicas:

No aumento do valor acrescentado do valor do vinho e a criação de produtos diferenciados de elevado valor;

Na aposta numa inovadora carteira de atividades económicas, considerando mercados mais globalizados e competitivos, que reforcem a aposta no desenvolvimento de novos conceitos e marcas;

Na promoção do turismo e da gastronomia, articulados com uma narrativa cultural, potenciando as estruturas locais existentes e valorizando a chancela UNESCO;

Na valorização de domínios do desenvolvimento sustentável aos quais a cultura adiciona um valor acrescido, mediante expressões culturais e práticas artísticas, a preservação do património material e imaterial, bem como a promoção da diversidade cultural.

Ao longo da sua história, a UTAD tem assumido um forte compromisso com a Região do Douro, a qual será uma das principais bandeiras da Universidade.

,