O Douro Sul precisa de outra organização dos cuidados de saúde!

É a minha opinião pessoal e é a opinião de muitas pessoas com elevada competência técnica na área da gestão de instituições de saúde, de que o Douro Sul não está bem de saúde!

Esta opinião advém da experiência, da constatação pessoal e de profunda análise técnica da realidade dos serviços oferecidos à população.

O modelo que se defende para o Douro Sul, consideramos ser possível replicar noutras regiões e é por mim defendido em vários fóruns científicos há muito tempo.

Defendo uma solução que começa na autonomia do Hospital de Lamego. Isto implica a saída do Centro Hospitalar Trás os Montes e Alto Douro, com sede em Vila Real.

Implicaria também a reorganização dos serviços oferecidos no Hospital de Lamego, alterando-se o programa funcional. Aliás, o programa funcional original que não está a ser cumprido.

Obviamente o Hospital de Lamego precisaria de recorrer a alguns serviços e em algumas situações especialmente diferenciadas a Vila Real, a Viseu e a outras unidades que melhor respondessem às necessidades concretas das pessoas. Mas isto é comum acontecer noutras realidades. Até o Centro Hospitalar não é autosuficiente.

Lembro que uma parte do Douro Sul já referencia prioritariamente, para Penafiel, outra para Viseu e outra para Vila Real, em conformidade com a localização geográfica. E, naturalmente, para outros serviços no Porto ou noutras localidades, em função da diferenciação.

Esta autonomia seria sustentável e eficaz em saúde, com a criação em simultâneo de uma estrutura que permita integrar as Unidades dos Cuidados Primários (centros de saúde) com o Hospital. Poderia ser a figura jurídica de ULS – Unidade Local de Saúde, ou outra que se pudesse melhor adaptar.

Estrutura que aproveitasse também os recursos na comunidade, municípios e instituições.

Esta escala é adequada e permitiria a racionalização e otimização de recursos.

O Hospital de Lamego, juntando-se-lhe todos os Centros de Saúde e o Serviço de Urgência de Moimenta da Beira, na tal estrutura de Rede Integrada de Saúde e Social do Douro Sul, permitirá respostas mais próximas e mais eficazes.

Não sendo possível nestas poucas linhas sustentar todas as vertentes desta visão, deixo-vos só a certeza de que é exequível técnica, financeiramente e seria melhor para todos, inclusive para Vila Real.

Acrescento ainda que, não descurando as questões técnico científicas, seria possível desenvolver mais facilmente, com esta nova estrutura, a hospitalização domiciliária em todos os concelhos do Douro Sul, num modelo ajustado à realidade geodemográfica, trazendo para a solução várias respostas integradas.

O Douro Sul é um buraco negro pela falta de soluções integradas e ajustadas às necessidades concretas desta população.

Por isso, pior, pior é não mudar nada ..!

O Douro Sul mais forte dá mais força ao grande Douro e a Portugal.