O Vinho no tempo da guerra

Por Manuel de Novaes Cabral, Presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, I.P. (IVDP)

Uma parceria entre a Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes, a Comissão Vitivinícola Regional do Dão e o Instituto de Vinhos do Douro e do Porto resultou na edição do livro O Vinho no tempo da Guerra – o Dão, o Douro e os Vinhos Verdes nas fotografias da Casa Alvão.

Adriano Miranda preparou a edição fotográfica e António Barreto e Manuel Carvalho contam-nos a história do vinho numa época de dificuldades que caraterizou a viragem dos anos trinta.

Este trabalho reúne mais de uma centena de fotografias das três Regiões Demarcadas., produzidas pela Casa Alvão que teve dois grandes mestres-fotógrafos, Domingos Alvão (1869-1946) e Álvaro Cardoso de Azevedo (1894-1969) a quem o Instituto do Vinho do Porto, encomendou, em 1933, um vasto trabalho de cobertura fotográfica da Região do Douro e de todos os trabalhos vitivinícolas.

A difícil década de 1935 a 1945, marcada pela Grande Depressão de 1929, que teve fortes repercussões na Europa Ocidental, a abundância das colheitas face à quebra na procura e consequente excesso de produção, a condicionalidade da guerra, tornaram muito penoso o dia a dia dos viticultores portugueses. Foi nesses anos de dificuldade que a Casa Alvão produziu um dos mais extraordinários registos fotográficos das regiões vitivinícolas do Dão, do Douro e dos Vinhos Verdes.

Um levantamento exaustivo do território, da plantação e tratamento da vinha, da vindima, do transporte, do envelhecimento, do embarque das pipas para exportação, captado pelo olhar da Casa Alvão, mostram-nos um lado pitoresco e harmonioso que não denuncia as dificuldades sentidas pelos viticultores. Mas como quase sempre a crise é motor de mudança, esses foram também tempos de modernização e progressos nas práticas e na organização do sector que condicionaram a atualidade.

 

,