Precisamos de um projeto político e social que junte os municípios em propósitos comuns – na  “cidade” Douro Sul. 

São 8, ou 10, ou até bem mais, municípios. São muitas realidades diferentes. Mas, no seu conjunto, são um único contexto geodemográfico. Poderíamos falar, sem qualquer constrangimento, no geoparque do Douro Sul.

Não tem sido possível passar de mera intenção  iniciativas que unam estes municípios. Que permitissem  dar escala a concelhos a caminho do precipício demográfico.

Há muitos assuntos, problemas, desafios, oportunidades, idiossincrasias, património, que poderão ser bandeira comum. As bandeiras da “cidade” conceptual – Douro Sul.

Lamego é a cidade culturalmente referência deste território. Cabe a Lamego a iniciativa de um processo de abraço fraterno com os outros concelhos num desafio para a união em propósitos comuns. A liderança dos propósitos estratégicos comuns, seria para cada um dos municípios na área ou áreas em que seja mais diferenciado.

Para Lamego é muito claro de que é a área da saúde a grande bandeira que deverá liderar.

O Hospital de Lamego é cada vez mais, paradoxalmente, um lugar seco de soluções e, por outro lado, uma unidade de saúde inundada de potencialidades.

Um serviço de urgência manco de especialidades e manco de equipamentos básicos para o diagnóstico, por exemplo o serviço de ecografia, ( nem se imaginam os constrangimentos que a sua falta provoca). Um heliporto sem asas. Um serviço de medicina física e de reabilitação sem o número de técnicos que as pessoas do Douro Sul tanto precisam. Um banco de sangue sem gota, não há banco de sangue.  Um serviço de medicina com poucas camas. E a cirurgia sem um, pequeno que seja, espaço de internamento.

O Hospital de Lamego ou do Douro Sul, é um ecossistema com recursos humanos muito competentes e valências muito diferenciadoras. O centro oftalmológico e a cirurgia de ambulatório são respostas de excelência que precisam de mais autonomia e valorização. Poderiam já ser Centros de Referência reconhecidos.

A saúde é a bandeira maior para o desenvolvimento dos territórios.

A pandemia fez do hospital de Lamego uma incontornável centralidade do Douro Sul. Ficou bem evidente  a sua fragilidade, mas, também, o seu muito importante papel para as pessoas desta região a sul do Douro.

Para o Hospital de Lamego urge acrescentar uma outra missão que concretize a sua vocação fundacional, a da proximidade, com a hospitalização domiciliária, fazendo-o maior e mais próximo.

E, assim que possível, avançaríamos para o Sistema Local de Saúde do Douro Sul, apostando na integração de cuidados.

Tenho enfatizado com veemência, embora talvez pouco percebido, de que o Douro Sul é uma escala virtuosa e a mínima para a sobrevivência dos 8, 10, ou mais, municípios a sul do Douro, quase todos, em colapso demográfico!

Vamos lá…!!