Também no Douro há excluídos de futuro!

Um território sem pessoas, não tem alma. As pessoas sem futuro, andam de alma inquieta.

O Douro tem tudo para ser a mais extraordinária região do país.

É Património Mundial da UNESCO. Tem fortes forças transformadoras.

Tem que ser uma das regiões mais humanizadas do mundo.

Os municípios têm trabalhado a coesão social. Cada um à sua dimensão e estrutura.

Mas continuamos a ter no Douro muitos excluídos de futuro. Por razões diversas. Mas todas elas, ou quase todas, reversíveis.

Não é um fatalismo. É possível mudar a vida de muitas pessoas.

Refiro, só a título de exemplo, o trabalho da Bagos d’Ouro. Que é uma extraordinária forma de quebrar ciclos intermináveis de exclusão. Pela educação, pela melhoria das condições básicas de vida das famílias.

Outro exemplo é o Aldeias Humanitar. Com intervenção humanitária de saúde e amparo social.

A estes projetos os municípios disseram sim. A outras inovações os municípios certamente que não dirão não.

Importa juntar todos, numa visão global. Dando dimensão à inovação social e ao empreendedorismo.

Amparo para os mais velhos, formação e educação aos mais novos, e um impulso para os promotores de novos negócios (criação de emprego).

Um Douro inclusivo que leve todos para a frente.

Para a definição da estratégia regional, acontecerá, certamente, a Douro Pessoas Summit.

Humanização, valorização, desenvolvimento sociológico e repovoamento. Autarquias, Universidades, Instituições da sociedade civil e Organismos desconcentrados do Estado Central – juntos!

O Presidente da Comunidade Intermunicipal referiu numa sua intervenção “ a cidade do Douro”, como uma visão do conjunto deste Grande, diverso e admirável Douro!

A cidade do Douro será uma cidade que Cuida. Uma bandeira que orgulhará todos, a da Humanização!