Vinhos da Região Demarcada do Douro: um breve balanço de 2016

Por Manuel de Novaes Cabral, Presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, I.P. (IVDP)

Em 2016, o volume de negócios dos vinhos da Região Demarcada do Douro (RDD) atingiu 536 milhões de euros, o que representa um crescimento de 5% em relação ao ano anterior.

É de destacar que praticamente todos os vinhos da RDD com DOP/IGP registaram um aumento no valor das suas vendas. Em termos de quantidade as vendas totais atingiram 13,4 milhões de caixas o que corresponde a um acréscimo de 3,4%.

As vendas de Vinho do Porto, no valor de 377 milhões de euros, corresponderam a um aumento de 2,5%. Para a ligeira quebra em quantidade (-0,5%) contribuiu a evolução negativa na quantidade exportada que registou uma quebra de 1,5%. Em contrapartida, o mercado nacional registou um crescimento de 5,3%. Já para o crescimento do volume de negócios contribuiu o aumento de 0,6% das exportações e fundamentalmente as vendas em Portugal, que registaram um crescimento assinalável de 12%.

O bom desempenho do mercado nacional confirma também a mudança de atitude das novas gerações que têm vindo a descobrir o Vinho do Porto, a sua qualidade e, sobretudo, a sua diversidade. Há claramente uma passagem do cálice de Vinho do Porto para o copo de Vinho do Porto, numa perspetiva de que o Vinho do Porto é, efetivamente, um vinho.

Tudo isto resulta de um trabalho persistente e continuado de investimento que as empresas e o IVDP têm vindo a fazer, sobretudo ao longo dos últimos anos.

Reconhece-se também, evidentemente, o mérito do crescimento do turismo, mas regista-se igualmente o referido crescente interesse dos consumidores portugueses, interessados em conhecer melhor o Vinho do Porto e disponíveis para pagar mais por ele. Ainda no caso do Vinho do Porto, esta nova atitude reflete-se no aumento do peso das categorias especiais e no preço médio praticado.

Portugal tem sido o 2º mercado para a DOP Porto com uma quota que cresceu de quase 15% em 2010 para 18,4% em 2016, do valor total da comercialização desse vinho e o 1º para a DOP Douro com uma quota de 61,3%.

Em consequência, confirma-se o prestígio internacional dos vinhos da Região Demarcada do Douro, bem como a sua crescente implantação no mercado nacional.

,