Vozes dos Municípios: Vila Nova de Foz Côa

Por Gustavo Duarte, Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Foz Côa

Vila Nova de Foz Côa apresenta-se como uma atracção de excelência do turismo de natureza, sendo o único concelho do país detentor de dois patrimónios mundiais: o Alto Douro Vinhateiro e as Gravuras Rupestres. Actualmente, falar em Foz Côa não se resume à arte paleolítica, pois apresenta uma multiplicidade de características que se afiguram estratégicas para que seja considerado um município exemplo no que às boas 20práticas concerne.

Foz Côa insere-se numa região única e diferente, com paisagens absolutamente deslumbrantes, com infra-estruturas de elevada qualidade e serviços de proximidade de excepção. A articulação transversal entre as diversas áreas de intervenção do Município como o desporto, a acção social, a saúde, educação, ambiente, urbanismo, entre outras, têm sido decisivas para que o município tenha já sido galardoado com alguns prémios prestigiantes, destacando o facto de Foz Côa ter sido certificada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como uma Cidade Amiga dos Idosos e das Comunidades. É igualmente considerada Autarquia Familiarmente Mais Responsável pelo Observatório das Autarquias Familiarmente Responsáveis. Devo salientar que no que aos serviços diz respeito, temos adoptado a determinação de manter os serviços já existentes e acrescentar outros que consistam numa mais-valia para os seus residentes e visitantes, como é o caso da abertura da Loja Ponto Já e da implementação de três Espaços do Cidadão descentralizados.

Paralelamente à preocupação demográfica e às prioridades das necessidades populacionais, é fundamental consolidar o desenvolvimento turístico do Douro e do Vale do Côa em particular. Deste modo, temos apostado fortemente em eventos enoturísticos, gastronómicos e culturais estruturantes, criando um forte impacto na fruição do território.

Um exemplo paradigmático é o Festival de Vinho do Douro Superior (FVDS). Esta sub-região do Douro assume cada vez maior importância na produção de vinhos da Região Demarcada do Douro, constituindo um local de excelência para a produção de vinhos brancos, tintos e generosos e é essa qualidade e identidade que o FVDS pretende promover. Esta mostra exalta a identidade, singularidade e caráter dos vinhos desta sub-região duriense e reforça Foz Côa como a sua capital natural.

No Vale do Côa nasceram os primeiros artistas, os primeiros “cineastas” e, consequentemente, o CINECOA – Festival Internacional de Cinema do Côa tem-se afirmado paulatinamente numa manifestação de projecção internacional, tendo por principal intuito trazer para cima da mesa a discussão sobre o património, a paisagem e a intervenção artística como pólos dinamizadores de desenvolvimento e de aprendizagem, sendo um hino à divulgação do património cinematográfico, artístico e paisagístico desta região.

O Festival da Juventude pretende oferecer aos jovens três dias de actividades em diversas áreas como a música, o desporto, a cultura, a cidadania, o empreendedorismo, o emprego, a saúde e a educação, sendo um espaço de e para os jovens procederem a uma mostra da sua intervenção na comunidade.

Relembro também a já incontornável Festa da Amendoeira em Flor e dos Patrimónios Mundiais, a qual constitui um dos principais cartazes turísticos do município desde 1981, tradição que Foz Côa faz questão de eternizar. O visitante poderá contemplar as paisagens durienses (numa extensão de cerca de 38 mil hectares) e tomar contacto in loco com a riqueza histórica, cultural, natural, paisagística e gastronómica de Vila Nova de Foz Côa. Decorrem diversos eventos culturais, desportivos, oficinas experimentais (entre outros), com especial destaque para o Desfile Etnográfico e Feira Franca da Amendoeira.

 A par dos eventos de projecção nacional e internacional, Foz Côa detém infraestruturas que têm recebido inúmeros reconhecimentos e prémios de prestígio internacional.

O Museu do Côa é, por si só, um edifício que compila a história de uma arte com mais de 20 mil anos de história. Cerca de 15 anos após a revelação da arte paleolítica do Côa, o Museu do Côa, cada vez com mais visitantes, é uma obra emblemática de “arquitectura da terra”, alongado e muito bem encaixado no topo de uma colina, junto à foz do Côa com o Douro, evidenciando uma entrada nobre por onde a luz se vai escasseando e forçando o visitante a sentir-se penetrar as entranhas da terra.

Por sua vez, o novo Centro de Alto Rendimento de Remo do Pocinho (CAR) é uma obra que impressiona pela sua marcante plasticidade, e que tem estado em destaque em publicações internacionais de referência, tendo já sido galardoado com diversos prémios internacionais. De acordo com os especialistas da modalidade de várias selecções europeias que já estagiaram no Pocinho, este é considerado um dos melhores locais do mundo para a prática de desportos nauticos, tendo em conta o espelho de água, o clima e a paisagem. O CAR terá capacidade para albergar cerca de duas centenas de atletas num complexo desportivo que vai dispor de piscinas cobertas, ginásios, área social e outras infraestruturas e serviços colocados ao dispor dos atletas de alta competição. Uma das particularidades do CAR refere-se à componente arquitectónica pelo facto de ser construído em patamares ao logo do rio. Esta é também uma obra de extrema significância pelas suas preocupações de integração da acessibilidade e mobilidade para todos, bem como da sustentabilidade, marcas indeléveis dos seus autores. Esta obra irá, certamente, representar mais uma vantagem competitiva para a região, que vê a sua oferta turística especializada crescer. O CAR será não só um ponto de atracção para desportistas internacionais, mas também mais um marco de vanguarda, num país privilegiado na rota de turismo internacional de arquitectura.

Assim, Foz Côa oferece condições de excelência nos vectores turísticos da Gastronomia e Vinhos, Natureza, Cultura, Religioso, Paisagem e Património. Detentora de características excepcionais, quem visita Foz Côa tem a possibilidade de percorrer a rota dos miradouros, a rota das amendoeiras, realização de percursos pedestres, nomeadamente “Os Caminhos do Douro” proporcionando aos caminhantes um universo inesquecível de beleza e quietude, organização de passeios em veículos de todo-o-terreno, auto-caravanismo, cicloturismo, montanhismo, passeios em barco rabelo no Douro, prática de modalidades náuticas e observação de espécies de aves raras, (águia-real, a águia de Bonelli, o abutre do Egipto, o grifo, a cegonha negra ou um esquivo bufo real). Existe também a possibilidade de visitar casas senhoriais, diversos museus, monumentos de diferentes estilos, ruínas arqueológicas romanas, castelos recentemente requalificados e com condições de visitação. Sem dúvida, um concelho de excelência que honra os pergaminhos da região e do país e do qual justamente nos orgulhamos.